quarta-feira, 23 de maio de 2012

“Panteão” a Agrippino Grieco, por José Cândido de Carvalho



Caricatura de Agrippino Grieco no traço de Appe.



Agrippino Grieco – Diabo manda lembranças






Logo de saída, Agrippino Grieco avisa:
– Acabo de vir do médico. Estou em forma.
Acredito. Vai atravessar o século em cima de suas fortes pernas de filho de camponeses. Rijo e narigudo. Aos poucos, o tempo foi fazendo dele uma ilha cercada de mil epigramas e de sessenta mil livros. Falou mal de todo mundo e todo mundo falou mal dele. Com uma desvantagem para Grieco: falou sempre bem mal dos outros. Sempre desancou os adversários em excelente estilo, no mais alegre e guisado estilo que alguém já inventou para dizer mal de alguém neste país. Agora, na sua casa do Méier, quase na marca dos oitenta anos, o velho diabo escreve, em chinelas, suas memórias, páginas e páginas em que a vida tem um encontro com um dos homens mais faiscantes do Brasil. São cinquenta primaveras de convivências com ideias, homens, acontecimentos e paisagens. E todo esse mundo é passado a limpo numa antiga máquina de escrever, espécie de mamute de parafusos e letras, mais velha do que as próprias memórias que datilografa. Lá está ela, cansada de guerra, sobre a mesa desarrumada de Agrippino, numa sala quieta de uma tarde de abril. Não é propriamente uma máquina. É um serpentário. Desse piano de dizer desaforos, que Grieco toca com um dedo só, têm saído os mais alegres ditos deste Brasil, as melhores caricaturas em palavras já feitas por mãos nacionais. A conversa do velho diabo tem feitio de festa italiana – bandolins, estandartes, flores, bandeiras com as cores dos pavões e piruetas de clown. As mãos de Grieco também falam. Seu nariz, como uma virgula enorme, marca a pontuação. Começa o show.
(...)     


Caricatura de Agrippino Grieco no traço de Theo.


Ironia a domicílio  

Não poupa ninguém. Nem amigos nem parentes. Nem ele mesmo. Ao espelho, ao fazer a barba, certamente dirá coisas de Grieco. Conta Donatello, seu filho e belo escritor abafado pelos veludos da diplomacia:
– Em casa, sempre fomos mais ou menos farpeados pelo velho. Depois que meu mano Francisco de Assis e eu fizemos concurso para o Itamarati, Grieco deitou frase dizendo que “no Brasil quem não dá para nada vai ser funcionário público, e quem não dá nem para isso vai ser diplomata”.
A frase correu mundo. É antológica. 



Elogio da traça 

Agrippino avança o nariz sobre a parede para mostrar um sujeito também narigudo, escritor do seu agrado e do seu convívio permanente: Eça de Queirós. Há ainda outras recordações que a vida dependurou na sala de Agrippino, desde quadros do seu cunhado Guttman Bicho a aquarelas compradas ao acaso de suas navegações pelo mundo, em Paris ou em Roma, em Belém do Pará ou no Largo do Rossio. Vou caminhando por entre os muros de livros de Grieco, os seus famosos 60 mil volumes. O Brasil, de cabo a rabo, está nesta montanha de papel e tinta, encadernado e naftalizado. Falo das traças, Grieco abre os braços para elogiar essas inimigas do papel:
 – Não há uma Sociedade Protetora das Traças, com planos de produção intensiva. É uma necessidade nacional, como o petróleo.
Nisso o velho diabo do Méier está redondamente enganado. Traça que se preza não rói livro ruim. É o que garante o romancista Herberto Sales. E eu com ele.
(...)



Os 4 grandes 

Indago:
– Quais as suas grandes admirações brasileiras de todos os tempos?
A resposta vem fácil:
– Castro Alves, José de Alencar, Euclides da Cunha e Machado de Assis.
E é só. 
(...)

Autógrafo de Agrippino Grieco (1969)
oferecido ao Prof. Luiz Antônio Barros 
durante manhã de autógrafos na Livraria Ideal.
(clique na imagem para ampliar)

Verde, não 

Não empresta livros. E tem um medão danado de cachorros, embora tenha apregoado, em boa prosa, as virtudes deles. Não aprecia verduras. É inimigo pessoal dos agriões e das alfaces. Detesta o vento e o trovão. E crê, sem fanatismo, em coisa do além. Não que tenha visto algum fantasma, mas por não poder explicar certos acontecimentos. E, pelas dúvidas, mantém em seu quintal um bem regado e mimado pé de arruda. Não é verdura. É pé de coelho.

Capa de um exemplar de Os vivos e mortos de Grieco, primeira edição, 1931.
Acervo da biblioteca pessoal de Roberto Kahlmeyer-Mertens

Brincadeira de morrer

Não sei por que o nome de Manuel Bandeira entrou na conversa do Méier. Agrippino manda brasa: – Há mais de cinquenta anos que Bandeira diz, em prosa e verso, que vai morrer. E não cumpriu a palavra...
Em verdade, Grieco não quer, nem de longe, a morte de Bandeira. Nem de Bandeira nem de poeta nenhum, mesmo desses que rimam sabão com limão.
(...)

Ex-libris de Agrippino Grieco

O diabo de calças curtas 

Agrippino Grieco, fluminense de 1888, quase um século de bem ler e melhor escrever. Tem espalhado talento em tudo que escreve, em páginas definitivas, ou no fogo de artifício de seus inigualáveis epigramas. No fundo, não quer mal a ninguém. Continua sendo o mesmo menino da Rua Lava-Pés, o pegador de passarinhos dos campos de Paraíba do Sul. O menino que ainda agora tantos anos passados e repassados, escuta as noites sossegadas do Méier um rumor de águas antigas. É o rio de sua infância que está cantando.

(CARVALHO, José Cândido. Agrippino Grieco – O Diabo manda lembranças. In: Ninguém mata o arco-íris. Rio de Janeiro: José Olympio, 1972. p. 3-8).




Divilgação cultural
(clique na imagem para ampliar)


Confira mais eventos culturais no FOCUS - PORTAL CULTURAL, do Poeta Alberto Araújo


17 comentários:

  1. Amigo Roberto,

    Vi hoje pela manhã, no jornal O Fluminense, a chamada para a sua conferência no Cenáculo de Letras. Farei de tudo para estar presente.

    Abraços,
    Eduardo

    ResponderExcluir
  2. Anderson Lima Jr24 de maio de 2012 08:42

    Agrippino, José Candido e Kahlmeyer... a fluminensidade estábem representada.

    ResponderExcluir
  3. Dalma Nascimento24 de maio de 2012 09:00

    Roberto, Já imagino as ressonâncias intelectuais/ plurais da sua fala. Iremos todos escutar... O recinto do Cenáculo será pequeno para a reunião de tantos Ecos.

    Abraços de Dalma.

    ResponderExcluir
  4. Não é por que foi meu professor, não. Mas o Kahlmeyer é uma das mentes mais iluminadas que já conheci. O conteúdo das falas dele eram melhores do que os livros que trabalhávamos em sala!
    Pretendo ir a tal palestra, até para poder bater uma foto do lado de Kahlmeyer.

    ResponderExcluir
  5. Vicente de Percia24 de maio de 2012 09:15

    Extremamente feliz em respectivamente, ver e ler o traço de APPE e João Cândido de Carvalho. Nascido no Acre,APPE é uma referência na caricatura na América do Sul. Na revista "O Cruzeiro" nas folhas da BLOW-APPE registrou por longo período um vasto acervo. Sem dúvida foi quem mais publicou caricaturas de políticos na década de 60 e 70. Dotado de traços tanto expressionista quanto leves soube montar um estilo em que o desenho é sua assinatura. Ressalto, também o Appe pintor e escultor Tive o privilégio e prazer de como amigo e crítico de arte e curador seu conviver com o artista e apresentá-lo em palestras e inúmeras mostras individuais e coletivas no Brasil e Exterior. Entre elas uma inesquecível retrospectiva no Museu de Belas Artes do Rio de Janeiro, na Galeria Bonino em Copacabana, Galeria Anna Maria Niemeyer na Gávea;Palais d'Artes em Paris,França; ART/BA, Buenos Aires, Argentina; Reencontre d´'Arte international Intercaraíbes, França/Antilhas/Caribé e muito muito mais.Conheci João Cândido por intermédio de Appe, a convite dele prefaciei o livro do artista editado pela Fundação de Cultura do Rio de Janeiro(RIOARTE.
    Parabéns

    ResponderExcluir
  6. Um acepipe essa postagem. Dá vontade, muita vontade de ler Agrippino Grieco e ler mais sobre Agrippino Grieco descrito por José Cândido de Carvalho. Senti uma inveja do Luiz Antonio... que tem dedicatória e autógrafo do Agrippino. Mas é inveja boa, curtição pelo amigo confrade que possui essa relíquia.
    Um grande abraço, Roberto.
    Carlos Rosa Moreira.

    ResponderExcluir
  7. Roberto,
    a programação do Blog está ótima: Portinari/Pedrosa; Affonso Romano/Carlos Rosa; Agrippino/José Cândido. Estou ansioso pela dobradinha Eco/Kahlmeyer!

    Abraços,
    Rocco

    ResponderExcluir
  8. Ae! Este tal de Agripino eh bicho solto! Rsrsrsr

    ResponderExcluir
  9. Verdade, só que no tempo dele os políticos ainda eram gente de bem, por isso não foram mencionados............................

    LM

    ResponderExcluir
  10. Sabe... estamos em falta de críticos como a Agrippino Grieco!
    Em épocas como a dele nomes como o de Fabrtício Carpinejar não se criariam!

    Época estranha a que vivemos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é.....
      Marcelo Lopes

      Excluir
    2. Este tal de Fabrício Carpirnejar é um otário, um manezão!
      Não é a toa que até no nome tem "carpir", sofrível!

      Anderson Lima Junior

      Excluir
  11. Roberto K.M.
    Li dois livros de Umberto Eco. No momento estou nas
    primeiras páginas de O Cemitério de Praga. Será ótimo
    ouvir sua palestra sobre esse importante autor.
    Abraço do
    Luiz Calheiros.

    ResponderExcluir
  12. Confesso que foi uma tarefa árdua ler o O Cemitério de Praga. Ninguém pode negar a excelência do Eco,mas confesso que não está entre meus autores favoritos.
    Belvedere

    ResponderExcluir
  13. Gilson Rangel Rolim26 de maio de 2012 02:27

    Prezado Roberto.

    Por motivo de viagem ñ pude comparecer ao Cenáculo.

    Era de meu interesse ouvir suas palavras sobre Umberto Eco, escritor que admiro e de quem estou lendo O Cemitério de Praga.

    Abç.

    ResponderExcluir
  14. Dalma Nascimento26 de maio de 2012 10:03

    Roberto, sua aula-palestra, ontem, no Cenáculo sobre Umberto Eco, foi magnífica!

    Fez um passeio pela Semiologia de modo claro e seguro. No entanto, o assunto é eivado do controvérsias. Situou o autor no contexto teórico e narrativo e pincelou, com mestria, suas obras principais. Desconheço o ensaio sobre o Feio na visão dele.

    Nos estudos culturais de agora - reflexo do mundo conturbado - , pontifica a Estética do Abjeto em todos os âmbitos. A EdUFF publicou, em 2008, VALORES DO ABJETO, com fundamentos psicanalíticos, literários e históricos, coletânea organizada por Ângela Dias e Paula Glenadel.

    A recente obra O Cemitério de Praga está encharcada de cenas abjetas, coprológicas e desconstrutoras. Até com ecos rabelaisianos, embora em tons diferentes. Acredito que o texto teórico sobre o Feio tangencie ou tematize essa questão.

    Sugiro que dê um curso sobre o autor, tal seu acervo de informações.

    Dalma

    ResponderExcluir
  15. O Agrippino era tio da minha avó Wanda Regina Grieco de Souza :)

    ResponderExcluir