segunda-feira, 28 de maio de 2012

Cobertura fotográfica da conferência de R. S. Kahlmeyer-Mertens no Cenáculo Fluminese de História e Letras





Para conferir as fotos da conferência “Os ecos de um intelectual plural – Umberto Eco faz 80 anos”.
acesse o Blog Focus: portal cultural. (AQUI)



O conferencista, Roberto S. Kahlmeyer-Mertens, titular da cadeira n. 13 (patronímica de Afrânio Peixoto) recebe seu certificado após a apresentação, enquanto cumprimenta o presidente da instituição, Julio Cezar Vanni. 





11 comentários:

  1. Olha, não é por ter sido meu professor, não. Mas o Kahlmeyer é uma das mentes mais brilhantes que eu conheci. Um "crânio", uma grande cultura!

    Monique

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Menos, Monique; menos. Rssrsrsr.

      Por onde anda você, menina. Mande notícias!

      Excluir
  2. Tarde das mais inspiradas foi aquela, da última sexta-feira, 25 do corrente maio, na reunião mensal do Cenáculo Fluminense de História e Letras. O Prof. Roberto Kahlmeyer-Mertens, em um dos seus grandes momentos, proporcionou aos confrades cenaculistas e convidados, ensaio sobre o internacionalmente consagrado escritor italiano Umberto Eco. Trazendo importantes e bem estruturadas reflexões sobre a trajetória literária de Eco, professor e intelectual engajado no esclarecimento do estudo científico e filosófico das reações comportamentais do homem e suas implicações, desde fundamentados registros históricos. Ao Cenaculista Roberto Kahlmeyer, nossas congratulações pelo despojamento de seus saberes, pelo seu comprometimento com a compartilhada informação cultural, ratificado e aplaudido neste “Literatura Vivência”.
    Roberto, agradecemos com reconhecido aplauso.
    Aguardamos desde já, a próxima palestra!

    Liane Arêas Secretária do CFHL

    ResponderExcluir
  3. Com elegância e conhecimento, sabendo dosar a erudição com tons ágeis de informalidade, Kahlmeyer nos proporcionou uma tarde enriquecedora.
    Carlos Rosa Moreira.

    ResponderExcluir
  4. Renato Augusto Faria de Carvalho28 de maio de 2012 20:34

    Na sexta-feira passada, dia 25 de maio, houve uma tarde de excelência na sede atual do nosso Cenáculo Fluminense de História e Letras - CFHL - aqui mesmo em Niterói. A reunião mensal, presidida pelo acadêmico Julio Cezar Vanni, programou a conferência "Ecos de um intelectual plural - Humberto Eco faz 80 anos" tendo Roberto Kahlmeyer-Mertens, ( acadêmico, professor, escritor, pesquisador literário, crítico,
    pensador e doutor em filosofia ) como responsável pelo minucioso
    trabalho e apresentação.
    Kahlmeyer - construindo um sintagma onde a ciência linguística
    fruiu, sob experiente domínio da didática - exauriu o pensamento do
    "fenômeno" literário contemporâneo que é Humberto Eco (nascido em Alexandria, em janeiro de 1932 ), escritor, filósofo, semiólogo,
    linguista, bibliófilo... Mencionou a formação Tomista, conceitos de
    Semiótica e mutação cultural, uma sociedade construída com fins capitalistas (certo lado positivo da cultura de massa), até chegar,
    propriamente, aos aspectos inventivos da discutida obra literária do autor e aos ecos internacionais de uma imaginação singular (... olhar revelativo
    manifestações típicas do nosso tempo e exemplos muito ricos, tais como
    "Histórias da beleza e da feiura" ) .
    Roberto "navegou" em um monólogo (contexto) maravilhoso : ...
    "Entre a Mentira e a Ironia, Passeios pelos Bosques da Ficção, Cemitério
    de Praga, A busca da Língua Perfeita, ..." (Nomes que me vieram
    instantaneamente).Comentou,com acento especial O NOME DA ROSA
    e o PÊNDULO DE FOUCAULT . ) Ainda referenciou-nos sobre Teoria, sobre a Ciência dos Signos e processos significativos na natureza e na cultura.
    De fato, o ilustre conferencista procurou exemplificar a "visão"
    semiótica de Humberto Eco (pós - estruturalista) e, no meu caso em
    particular, conduziu-me àquele "constrangimento" inevitável de antigo
    aluno do Curso de Letras, que deixou nas prateleiras-há quase 40anos-
    livros, anotações importantes, velhos cadernos empoeirados e
    ensinamentos plurais de uma determinada visão da época, debates e,
    porque não dizer, a irremadiável e melancolica lembrança ! Eram os
    tempos de juventude acadêmica, que selaram as primeiras experiências
    do fazer, ou do tentar um certo convívio com a literatura chamada
    adulta.
    Caro Roberto, sua AULA significou,(eu creio) para nós,acadêmicos
    do CFHL, um verdadeiro alerta: não se pode parar. ! Obrigado pela
    sagacidade de tão belo trabalho.

    Renato

    ResponderExcluir
  5. Caro Roberto,

    Admiro o seu sucesso com as letras e quem não é mesquinho aprecia também.

    Seu crescimento significa um ganho de espaço para as letras de Niterói. Só quem é contrário a este progresso inveja o que você faz.

    Parabéns meu amigo,

    Felipe

    ResponderExcluir
  6. Ao colega Kahlmeyer, o abraço em reconhecimento a sua competência intelectual!

    Sônia

    ResponderExcluir
  7. Caro amigo Roberto, parabéns pela belíssima Palestra. Foi uma tarde de pleno convívio com acadêmicos e convidados. Creio que a Revista do Cenáculo deste ano poderá ficar ainda mais rica com a possível publicação desse seu texto, ou parte dele. Sincero abraço do Eugênio Simões Filho.

    ResponderExcluir
  8. Roberto, vc é demais! Não sei mais o que dizer. Vc ultrapassa meu vocabulário! rssssssssss
    Belvedere

    ResponderExcluir
  9. Você estava tão elegante.

    Sua Laurinha

    ResponderExcluir