sexta-feira, 30 de março de 2012

"No céu como as estrelas" - Comunidade literária de Niterói se despede de A. Barcellos Sobral




A. Barcellos Sobral
(1919 - 2012)

Na noite de ontem nos deixou o poeta, esteta e teórico da literatura A. Barcellos Sobral. Sobral era autor de significativa obra poética e possuía um ensaio de estética original intitulado Contemplação da unidade – Tentativa de uma holística da existência. Autor, também, de obras primas como Misael, crônicas de uma paternidade e No alto como as estrelas, Sobral despertava a admiração e o respeito de todos que conheciam sua obra.
Celebrando a memória deste que reunia todas as condições para – sem favor algum – ser chamado de savant, a postagem de hoje traz um conjunto de apreciações da obra do autor e excertos de uma entrevista inédita concedida por aquele teórico a mim (entrevista que será publicada num livro chamado Conversações com intelectuais fluminenses, a ser lançado em maio próximo).




Depoimentos

“... os poetas modernos têm medo do pensamento. Fogem da poesia filosófica. Ou então ficam no puro abstracionismo. O senhor não. Enfrenta essa coisa dificílima: a poesia e a especulação. E o seu pensamento não esmaia a beleza. Nem esta abafa a meditação.
O essencial é que vejo, nos seus versos, um sentido próprio, um caminho original e alguma coisa que pode vir a marcar...
... sinto que seus versos, não só por serem inéditos, mas por serem o que são, representam alguma coisa de sério e mesmo de importante.”

Pois li Misael, agora. E gostei muito. Belo texto. Você é um grande poeta. Feliz Misael, que teve um tal pai. Felizes os cinco filhos, que tiveram Você. Delicadeza, harmonia, uma atmosfera simbolista, a depuração, o ritmo sutil, tudo impecável, raro. Gratíssimo a Você pelo dom dessa alta poesia, expressa numa forma perfeita, num estilo que está entre os mais puros do Brasil. Você me lembra às vezes certas páginas refinadas do melhor Andrade Murici. Quer dizer, um herdeiro do simbolismo. Misael precisa de ser publicado. E quanto antes.
Creia que foi um prazer para mim dialogar tranquilamente com a sua poesia. Você é puramente um poeta. Que carta bonita lhe mandou Tristão ― há tantos anos... Consagradora. Calorosa. Plena justiça a você, a seu talento, a essa misteriosa dedicação desinteressada à poesia ― mysterium fidei. Você já leu A minha Fé, de Joaquim Nabuco, uma apologia da sua fé, escrita em Petrópolis, 1892-1893, inédita até agora no Brasil, publicada pelo Instituto Joaquim Nabuco, do Recife? Que livro penetrante. Sua poesia é toda filosófica. Você é simultaneamente um poeta e um filósofo. Uma poesia densamente psicológica, sim, e tocada sempre por uma indagação metafísica. Você poderia chamar à sua Poética Diário Metafísico, à maneira de Gabriel Marcel. Porque você é um homo viator, um peregrino, um servidor da verdade, alguém que não se pertence, mas pertence à poesia, à vida transcendente. Que domínio completo e ágil tem você da forma poética. Você encontrou realmente a sua forma, o seu ritmo perfeito, harmoniosa, exato, a sua respiração. Poesia é respiração. Você recebeu de fato esse grande dom poético, o poder de exprimir a vida em termos de beleza. Você está longe felizmente de ser um racionalista. Você acolhe a vida, a vida toda, inteira, na sua complexidade. Você bem sabe que “intellectus quidam defectus est ratio”, a razão é a imperfeição da inteligência. Você é inteligência e sensibilidade. Guardo uma impressão muito agradável dessa poesia profunda, vivida, sofrida, existencial, de uma densidade e de uma leveza constante, que é a sua poesia. Você é um criador pleno, maduro, altamente consciente. Você conhece a poesia de Wilson Alvarenga Borges? Lembrei-me agora dele a propósito de você. Há analogias entre as experiências poéticas dos dois artistas. Penso a seu respeito na obra de Raïssa Maritain, tão vertical, tão diáfana, tão espiritual sempre. La Vie Donnée, Lettre de Nuit, Au Creux du Rocher, tantas páginas de suma beleza, como o poema trágico Deus Excelsus Terribilis, em plena guerra. Você pertence a esse nobre universo dos poetas profundamente espirituais. Um Max Jacob, um Pierre Reverdy, um Alphonsus, um Dom Marco Barbosa, um Francisco Karam, uma Maria Isabel, uma Carminha Gouthier... Tantos. Receba o abraço de admiração afetuosa do seu velho e enternecido leitor, que deseja tudo de bom para você.


“Quanta angústia e quanta reflexão. Agora a carta de Tristão torna-se mais clara para mim. Terá sido a análise do POEMA? O Sr. me lembra o Leopardi e o Augusto dos Anjos, em sua cósmica e dilacerante indagação, pondo de lado o arcabouço cientifico, que emprestava à forma uma mensagem específica. Lembra-me, de certo modo, Leconte de Lisle e, mais intensamente ainda, lembra-me o poema de Arturo Graf. Exatamente. Graf. No poema em que fala de um silêncio voraz, avassalador, implacável, a contrastar com o rumor de sua angústia e desespero.
Os seus poemas são de uma beleza e de uma força extraordinária. O aspecto místico, ainda que importante, não prepondera. A sua força se concentra muitíssimo na melodia intrínseca de cada reflexão. Logopéia, teria dito Ezra Pound.
Uma poesia transida por uma intensa re-flexão, onde a mística e o lirismo se entrelaçam num ritmo preciso e concentrado. O poeta, a natureza e os homens tecem um dialogo com a eternidade, a partir do fluxo do cosmos e da conquista da alma.
Tenha por ora a minha impressão mais ardente e sincera de uma grande poesia.”
 

“A densidade das reflexões consignadas em Contemplação da unidade nos mostra que o livro é mais que um tratado de estética: estaríamos diante de um daqueles casos em que o valor da obra se mostra quando nos sentimos desafiados ao seu estudo. Trata-se de um trabalho cuja importância se mensura pelo tempo dispensado ao seu entendimento. (...) A autenticidade do projeto de A. Barcellos Sobral necessita de herdeiros disponíveis a aprender a sua visada abrangente, criadora e rigorosa, de gente que esteja disponível a contemplar a Unidade.
Eis o trabalho da vida de um homem, um livro que nos ensina que a contemplação não é apenas exploração ou crítica, mas um amor sem paixão, capaz de perceber as coisas simples, serenamente”.


 “Magnificamente poeta, A. Barcellos Sobral tem o aplauso entusiasmado da primeira linha da crítica brasileira de Alceu Amoroso Lima a Antonio Carlos Villaça, de Henrique Serpa Pinto a Marco Lucchesi. Vozes que confirmam a vocação do poeta e a cosmovisão do artista.
Desde 1955, quando o Clube de Poesia de Campos, sob a liderança do sempre lembrado Mario Newton Filho, lançou Poema – 1º Caderno, A. Barcellos Sobral foi reconhecido como autor de uma poesia essencialmente espiritual, de fundo dramático. Em No Alto Como as Estrelas, editado em 1987, pela Cátedra, e neste Misael, sua produção evolui para o lirismo, dela desaparecendo todos os vestígios da primeira publicação.
Misael – Crônica de uma paternidade é uma coletânea de primoroso texto, permeando aleluias e hosanas com formas abissais de ternura e beleza. Livro reclamado, de há muito, pelas estantes mais categorizadas da poética brasileira, Misael satisfaz a espera de anos, para tornar-se obra obrigatória na nominata do que melhor existe em nosso país”.


“De seu livro Poema⁄1º Caderno agradou-me mais a primeira parte. Julgo realizada a experiência de uma diferente metrificação. Há uma mágica, um ritmo ímpar, que resultam da nova contagem de sílabas, e muito bem se adaptam ao seu pensamento”. 



Entrevista


ROBERTO KAHLMEYER-MERTENS: Não há como começar essa entrevista senão dizendo o quanto sua presença em nosso projeto é grata e só nos honra. Receio estar me repetindo, mas devo dizer que obras como Misael em nada ficam a dever a livros como o Hipérion[1] de Hölderlin ou os Frutos da terra[2] de André Gide.

 A. BARCELLOS SOBRAL: Agradeço o elogio, o interesse e o convite que tanto me prestigia.

 (...)


K-M: Numa primeira avaliação do conjunto de sua obra, por um olhar superficial, ela parece heterodoxa. Temos poesia lírica, dramática, poemetos que o senhor chama de “parábolas”, poemas em prosa e, no fim de tudo, um ensaio científico. Numa segunda visão, atenta ao conteúdo, é possível enxergar um fio condutor que parece perpassar os seus textos, desde a obra de juventude, lá em 1955, caminhando necessariamente para o seu livro Contemplação da unidade,[3] de 1998. Com isso talvez se esboce o itinerário para o que o senhor, nesse livro, chama de “poesia integral”. Minha leitura é correta ou estaria diante apenas de uma impressão? Há um ‘leitmotiv’ ou seria uma miragem?

BS: Há o fio condutor. E isso já pode ser constatado desde minhas parábolas, pois nelas já há a indicação do que penso filosoficamente. Meu entendimento de filosofia é diverso do tradicional. Penso que seja mais próximo do de sabedoria, encontrada no pensamento oriental e em alguns místicos do cristianismo, do que na tradição filosófica, que às vezes tende a uma verborragia. Perdoe se digo isso a um leitor de Kant, Hegel e Heidegger, como você.

K-M: O que o senhor chama de parábolas são como pequenos poemas. Tais como “koans”, enigmas budistas a que certos cientistas contemporâneos recorreram para pensar a física quântica. Permita-me que leia duas parábolas de seu livro No alto como as Estrelas:


“Falo demais do ser
e da beleza. Pode a fonte
mudar seu canto?”

E ainda

“Penso em Deus.
Corre a tartaruga
atrás da luz.”

BS: Muito bem. Note-se que a parábola, antes de ser literária, tem uma significação filosófica, em um plano ainda mais profundo. Tenho perto de 2500 parábolas, que contam uma longa história. Isso é sinal de uma direção e, mesmo que não declare isso, é algo implícito no desenvolvimento de minha obra.

K-M: Identifico, então, um caminho da poesia à filosofia. O que prova que poesia e pensamento científico, na sua obra,  são indissociáveis.

BS: Pois não, perfeito!  

K-M: Talvez por isso vejamos comentários que apontam para esse mesmo sentido sobre o senhor, como é o caso de Marco Lucchesi, Antônio Carlos Villaça e, entre todos os comentários, o de Alceu Amoroso Lima quando (se me permite que leia) diz que: 

 “Os poetas modernos têm medo do pensamento. Fogem da poesia filosófica. Ou então ficam no puro abstracionismo. O senhor não. Enfrenta essa coisa dificílima: a poesia e a especulação. E o seu pensamento não esmaia a beleza. Nem abafa a meditação (...) o essencial é que vejo, nos seus versos, um sentido próprio, um caminho original e alguma coisa que pode vir a marcar (...) sinto que em seus versos, não só por serem inéditos, mas por serem o que são representam alguma coisa de sério e mesmo de importante”. 

Esse parecer, vindo de quem vem, é mais que autorizado. Daí, gostaria de saber como o senhor vê a implicação entre poesia e pensamento. Poesia e filosofia seriam mesmo duas montanhas vizinhas? 

BS: Deixe-me ver aqui... é uma longa história... Temos aqui o item 3.2.1 do Contemplação da unidade. Neste item, apresento os meios de projeção estética. O que entendo por projeção estética é a situação do fato estético, nos meios de projeção estética: o microespaço, o macroespaço, o megaespaço e o microespaço-tempo. No microespaço-tempo, teríamos o pensamento, a sensação, o sentimento, a emoção, as pulsões etc. e as artes que se projetam no espaço-tempo psicológico, isto é, a poesia e a música. O microespaço-tempo se divide em físico e psicológico. Isso pode ser verificado em poesias como as contidas em meu Agonia e ressurreição, pois os poemas que aí coloco correspondem ao paradigma de minha poética “psiqueísta” (de psiqueísmo), sem pretender criar uma nova escola literária. 

K-M: O senhor poderia recitar uma das poesias, para que possamos ter uma maior clareza do que se trata, por meio da exemplificação? 

BS: Pois não. Aqui está: 

“Noite fechada.
Caída sobre os neurônios.
A esperança como armadura
menor do que o guerreiro
fere-lhe a resistência.
Mas ele não cede
põe sobre o mal-estar
unguento de paciência.
Resiste heroicamente
como um dique de pedra
resiste à pressão da inundação.
Proibido capitular
ou mesmo gemer resmungar.
A regra é resistir.
Opor logística espiritual bastante
para transformar angústia e caos
em mais ser em mais ser.” 

Aqui se expressam os termos da minha poética.




[1] HÖLDERLIN, Friedrich. Hypérion. München: Die Deutscher Klassiker, 1993.
[2] GIDE, André. Les nourritures terrestres, et Les nouvelles nourritures. Paris: Gallimard, 1935.
[3] Cf: Bibliografia ao fim desta entrevista.



Principais obras:
Poema/1° Caderno. Campos: Clube de Poesia de Campos, 1955.
No alto como as estrelas. Rio de Janeiro: Cátedra, 1986.
Misael – Crônicas de uma paternidade: Niterói: Cromos, 1996.
Contemplação da unidade – Tentativa de uma holística da existência. 2ª. ed. Niterói: Nitpress, 2010.


Em sinal de luto a A. Barcellos Sobral, o Blog Literatura-Vivência deixará de fazer postagens por
7 dias, a contar da presente data.






23 comentários:

  1. Lamento o falecimento deste grande poeta que certamente brilhará "No céu como as estrelas". Obrigada, Barcellos Sobral, por sua existência.

    ResponderExcluir
  2. Irreparável perda!

    ResponderExcluir
  3. Onde quer que A. Barcellos Sobral esteja ele deve estar muito contente com esta sua homenagem.

    ResponderExcluir
  4. Venerável Sobral...

    ResponderExcluir
  5. EStou muito triste, porque não tive a oportunidade de conhecer uma pessoa tão especial. Resta a sua obra, felizmente.
    Belvedere

    ResponderExcluir
  6. De luto seus conterrâneos!
    Walnize Carvalho

    ResponderExcluir
  7. Kahlmeyer,

    como herdeiro das lavras poético-filosóficas de Barcellos Sobral cabe agora recolher todos os recursos de que você dispõe para tocar adiante o pensamento daquele grande intelectual.

    Pode ir arregaçando as mangas, investindo em livros e pensando em uma publicação sobre o autor, como você fez com o Pimentel.

    Aldo Sérvio

    ResponderExcluir
  8. Pois é... uma pena!

    Era um homem de valor

    ResponderExcluir
  9. Roberto,

    a meu pedido,

    colabore para manter a memória do grande literato A. Barcellos Sobral viva.

    Ajude a criar o Cento de Pesquisas de Existenciologia, como ele pretendia.

    Precisando de apoio, eu cedo até algum acervo de livros para que seja dado o pontapé inicial.

    Altamiro Campos - Livreiro

    ResponderExcluir
  10. Ricardo Augusto dos Anjos30 de março de 2012 20:01

    Criação de uma Poesia Integral - já anunciava Barcellos Sobral em sua "Contemplação da Unidade". Pra mim, não só Contemplação, mas um Mergulho estético-existencial, ou melhor, como gostava de frisar, existenciológico. Quando o conheci, ele já fazia a apologia da Física Quântica e o entrosamento nesta da arte, da espiritualidade, da filosofia. A dissecação do conhecimento para conseguir a Unidade, a concretude estética, visando à criação de uma Poesia Integral. Dos itens da "Contemplação" (contempla + ação), interessante o enfoque dado à Sinergia dentro da natureza e da arte(pág.35). Gostei também quando ele aborda peculiarmente os problemas da Identidade, da Comunicância (que considera "instável porque superegoísta")e da Esteticidade. Enfim,neste momento, lamento seu passamento mas louvo seu pensamento.
    De pura vanguarda. RIP Sobral!

    ResponderExcluir
  11. Barcellos Sobral!

    Um homem singular!

    ResponderExcluir
  12. Niterói perde um autêntico representante de nossa cultura, uma perda que lamentamos. Que sua memória nos sirva como um referencial importante na formação cultural das gerações emergentes de sua terra natal.

    ResponderExcluir
  13. Puxa! Ele desencarnou no dia em que o Pimentel completava 100 anos...
    Tinha boa idade também: 93?

    Deus o conserve em paz, e que nós saibamos herdar seu pensamento-poesia.

    Lauro Costa

    ResponderExcluir
  14. Quando e onde será a missa de sétimo dia?

    ResponderExcluir
  15. Caro Roberto,

    Sobral era um grande homem de cultura. Seu nome deveria ser dado a uma biblioteca ou a algum centro cultural em Niterói.

    Ajude a levar esta ideia adiante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lauro Araújo Marques1 de abril de 2012 12:12

      Sim, Kahlmeyer,

      A ideia do gentil é boa. Criar um centro cultural ou biblioteca com o nome de A. Barcellos Sobral é uma ideia digna e vale o preço a se pagar!

      Lauro Araújo Marques

      Excluir
  16. Roberto,

    Que bela amizade a sua com o Sobral. Ao fim da vida, a sua afinidade com ele era grande nos gostos, nas leituras, nos interesses...

    Bem como com Pimentel, sua relação com o Sobral era de discipulo para mestre, ou ainda, de mestre para mestre.

    Porque vc não escreve um livro sobre o Sobral?

    ResponderExcluir
  17. A ideia de um centro de pesquisas com o nome do poeta A. Barcellos Sobral seria ótima!

    ResponderExcluir
  18. O sentimento, palávras não expressam. Talvez "dor" diga alguma coisa...simplesmente um lugar que jamais será preenchido na história literária e como pessoa e amigo, é uma perda irreparável. Um beijo, Sobral.

    DI Sarlo

    ResponderExcluir
  19. Christina Sobral3 de abril de 2012 18:25

    Roberto,

    Leio e releio sua homenagem.
    Repasso a irmãos, filhos e amigos.
    Obrigada pelo seu tempo, seu respeito e admiração pelo trabalho de papai.
    Estamos querendo manter vivo e propagado esse trabalho tão especial.
    Conte conosco!

    Abs,

    Christina

    ResponderExcluir
  20. Sr. Wanderlino Teixeira

    Em nome da família Sobral, comunicamos que a missa desétimo dia de Antonio Barcellos Sobral será realizada dia 4 de abril as 19 horas, na Matriz de São Francisco, localizada na rua General Rondom s/n Praça Dom Orione, São Francisco, Niterói.

    Atenciosamente,
    Filhos

    ResponderExcluir
  21. No alto(eu)como as estrelas!

    ResponderExcluir
  22. 22/04/2012
    FAMÍLIA SOBRAL
    Somente hoje fiquei sabendo da grande perda do Querido e Amado Sobral...
    Que Deus confoete vossos corações
    Liliete

    ResponderExcluir