quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Sobre o fim do mundo...


 

 Continuam desavisados...
 

É Nietzsche quem diz que: “mais um século de maus leitores e até o espírito estará fedendo”. Pelo visto, vivemos em uma época em que os maus leitores estão em maioria. A última é que, amanhã, dia 21 de dezembro de 2012, o mundo acabaria... (como não rir diante de tamanho disparate!?). Amparados nas previsões do calendário Maia – e fazendo uma leitura tacanha do mesmo – vemos gente construindo bunkers e estocando víveres para a suposta hora que chegará.
Ninguém, entretanto, pensou que o fim em jogo não seria o do mundo, mas o fim de um mundo. Ou seja, o término da vigência de um horizonte humano frente a um outro que - mais que hegemônico – se totalizou inexoravelmente. Nos veríamos, então, diante um modo histórico de ser em que se investe em tecnologia para poupar tempo e, uma vez tendo tempo, se entedia com ele; um mundo no qual as relações entre os homens se tornaram vazias tendo por sentido apenas o comércio de influências e outras conveniências; no qual cada ente virou fonte de recurso disposta ao uso; tudo é moeda vulgar que muda compulsivamente de mãos. Num mundo assim, tudo se reverteu em mercadoria que tem preço, mas é sem valor; tudo se automatizou; tudo é requisição e, o pior, tudo redunda em nada.
Não há motivo de tremor diante de catástrofes monumentais... não deveriam ser essas a nos assustar...
Uma palavra de consolo aos tementes ao apocalipse?! Quem sabe um pouco de memória e bom humor à Drummond seja oportuno:
 
 
 
 
O fim do mundo
 
 
 
 
 
Não se sabe ainda se o mundo acabou realmente no sábado, como fora anunciado. Pode ser que sim, e não seria a primeira vez que isso acontece. A falta de sinais estrondosos e visíveis não é prova bastante da continuação. Muitas vezes o mundo acaba em silêncio, ou fazendo um barulho leve de folha. Tempos depois é que se percebe, mas já então vivemos em outro mundo com sua estrutura e seus regulamentos próprios, e ninguém leva lenço aos olhos pelo falecido.
O mundo primitivo dos répteis, o mundo neolítico, o egípcio, o persa, o grego, o romano, o maia... todos esses acabaram, e muitos outros ainda. A história é cemitério de mundos, notando-se que uns tantos acabaram de morte tão acabada que nem sequer figuram lá com uma tabuleta; não se sabe que fim levaram as cinzas.
Pessoas que aí estão vivas assistiram à morte do mundo em 1.º de agosto de 1914, mas estavam lendo jornal e não compreenderam no momento. Era apenas mais uma guerra na Europa, mas acabou com a belle époque, a douceur de vivre, a respeitabilidade vitoriana, o franco, a supremacia da libra, os suspensórios, o rapé, os conceitos econômicos, políticos e éticos do século XIX – mundo que parecia eterno. Pedaços dele andam por aí, vagando, como o colonialismo, a pressão de grupos financeiros, a servidão civil da mulher, mas pertencem a um contexto liquidado, rabo de lagartixa vibrando depois que o corpo foi abatido.
É possível que a previsão dos astrólogos indianos não tivesse base, e que o mundo atual dure muitos anos. Acredito mesmo que é cedo para ele morrer, se apenas está nascendo, e nem sabe ao certo como é ou será.
Aos sete anos de idade imaginei que ia presenciar a morte do mundo, ou antes, que morreria com ele. Um cometa mal-humorado visitava o espaço. Em certo dia de 1910, sua cauda tocaria a Terra; não haveria mais aulas de aritmética, nem missa de domingo, nem obediência aos mais velhos. Essas perspectivas eram boas. Mas também não haveria mais geléia, Tico-Tico, a árvore de moedas que um padrinho surrealista preparava para o afilhado que ia visitá-lo. Idéias que aborreciam. Havia ainda a angústia da morte, o tranco final, com a cidade inteira (e a cidade, para o menino, era o mundo) se despedaçando – mas isso, afinal, seria um espetáculo. Preparei-me para morrer, com terror e curiosidade.
O que aconteceu à noite foi maravilhoso. O cometa de Halley apareceu mais nítido, mais denso de luz e airosamente deslizou sobre nossas cabeças sem dar confiança de exterminar-nos. No ar frio, o véu dourado baixou ao vale, tornando irreal o contorno dos sobrados, da igreja, das montanhas. Saíamos para a rua banhados de ouro, magníficos e esquecidos da morte, que não houve. Nunca mais houve cometa igual, assim terrível, desdenhoso e belo. O rabo dele media... Como posso referir em escala métrica as proporções de uma escultura de luz, esguia e estelar, que fosforeja sobre a infância inteira? No dia seguinte, todos se cumprimentavam satisfeitos, a passagem do cometa fizera a vida mais bonita. Havíamos armazenado uma lembrança para gerações vindouras que não teriam a felicidade de conhecer o Halley, pois ele se dá ao luxo de aparecer só uma vez a cada 76 anos.
Nem todas as concepções de fim material do mundo terão a magnificência desta que liga a desintegração da Terra ao choque com a cabeleira luminosa de um astro. Concepção antiquada, concordo. Admitia a liquidação do nosso planeta como uma tragédia cósmica que o homem não tinha poder de evitar. Hoje, o excitante é imaginar a possibilidade dessa destruição por obra e graça do homem. A Terra e os cometas devem ter medo de nós.

 
 

5 comentários:

  1. Roberto
    Que bom rever o blog, mesmo agora às vésperas do fim do mundo! Confesso que me sinto mais aliviado, ler Literatura e Vivência satisfaz a alma. Se o mundo acabar minha alma irá mais leve. Mas não acaba não. Ainda ficaremos um pouco mais por aqui. Amaremos, leremos, viveremos e sofreremos andando por cima deste mundo que Deus nos Deu. Envio-lhe um especial abraço, desejando muito sucesso e saúde. Recomendo a todos a leitura do livro do escritor Renato Augusto Farias de Carvalho, uma obra cheia de ternura, deliciosa aos sentidos, importante para o coração.
    Um grande abraço. Carlos Rosa Moreira.

    ResponderExcluir
  2. Gilson Rangel Rolim20 de dezembro de 2012 21:17

    Roberto.

    Grato pelo envio de seu material (ultimamente um tanto esparso).

    Li a crônia de Drumond e lembrei-me de um samba bem antigo (V. nem tinha nascido ainda);"Anunciaram e garantiram que o mundo ia se acabar / por causa disso a gente lá de casa começou a rezar..."

    Por falar em fim do mundo, já é madrugada de 21 de dezembro na Ásia Oriental e se a coisa já começou, a TV internacional ainda não noticiou,,,

    Abraço com merry Christma's e happy new year.

    Gilson

    ResponderExcluir
  3. Renato Augusto Farias de Carvalho21 de dezembro de 2012 12:14

    Estimado Roberto,
    Muitas coisas são importantes na vida : saúde, juventude, maturidade experiente, família, vocação,
    estudo, simplicidade, amor em todas as suas formas ... resta-me ressaltar amizade. Meu sincero obrigado pela condescendência comigo - pessoal e literária. Vou ao lugar comum com muita alegria
    para repetir Feliz Natal e Feliz Ano Novo.

    Renato

    ResponderExcluir
  4. Não tenho nenhuma imagem ou estampa selecionada para ilustrar a minha mensagem de Feliz Natal e de Ano Novo. Prefiro os versos para dizer-lhe:

    Eu quero

    Tu queres

    Ele quer.

    Nós queremos

    Vós quereis

    Todos querem

    um Natal Feliz e

    Um Ano Novo de esperanças renovadas. Julio Vanni

    ResponderExcluir
  5. Caro Kahlmeyer.

    Esperei o fim do mundo e até escrevi a letra para um samba:

    Eu quero ver

    O que vai acontecer

    Quando vir no céu brilhante

    Uma luz e anunciar

    Que o Juizo vai começar...



    Eu quero ver

    Muita gente em alvoroço

    Se fazendo de bom moço
    Querendo no céu entrar...



    Eu quero ver

    Deputado e bandido
    Todo mundo arrependido

    Prometendo se emendar...



    Eu quero ver

    Da batida do malhete

    Quem é que vai escapar

    Pois até quem faz o bem

    Tem mil contas pra ajustar!...



    Já que o mundo não acabou, vamos festejar o Natal dentro do melhor espírito cristão e desejar aos amigos um vFeliz Ano Novo.

    Julio Vanni

    ResponderExcluir