sábado, 1 de dezembro de 2012

Um livro com azo de gênese e com gosto de sol... Renato Augusto Farias de Carvalho

 

Capa do livro de Renato Augusto Farias de Carvalho, na arte de Will Martins.
 
 
“Na gênese, Deus criou o céu e a terra, e a terra era desordem e deserto, uma treva sobre as faces do abismo. Mas um sopro sagrado planava sobre a face das águas. Deus disse: ‘Haja luz’ e houve luz”. (Gen.1, 1-3) À imitação do verbo divino, intromisso, o poeta acrescenta: “...Haja, ainda, partículas de sol”, e a tarefa de ultimar a obra divina passa sem mediações do criador à criatura. Não enquanto o simplório legado de Adão, mas como a herança de Orfeu, que bem sabe da idealidade poética do verba tene, res sequentur.
Ao tanger sua lira, o filho de Calíope (musa da memória e da expressão) afina homem-mundo e o verbo poético faz aflorar os trastes. Como soa uma tal lira? Para saber, basta abrir o presente livro (seria pouco chamá-lo apenas de livro!) e entregar-se à prosa e à poesia de Renato Augusto Faria de Carvalho.
Inundado de afetos – alegrias, amizades, amores, prazeres e um feixe de religiões e sabedorias instintivas – repetidos com a mesma mestria dos livros que os antecederam, Renato renasce enquanto discurso possível desde a memória da infância, no anelo íntimo com seus pares e nos relatos de suas viagens de individuação. Estão todos lá: o viandante num hotel em Cartagena (ou seria Veneza?), o escritor no bucólico quintal de sua casa em Itaipu, as imagens meninamente feéricas das águas amazônicas, das lucíolas e dos arrebóis... Estão todos lá.
Dessa última, que se ressalte um registro quase fotográfico: “O barco, esbelto e orgulhoso,/era empurrado pela magnanimidade da incansável/roda traseira./E navegava, altivo, pelo Tapajós,/ Sem dar valor ao esforço da retaguarda./As crianças transbordavam seu espanto/e não percebiam/o quanto era orgulhoso o velho barco:/um Lord,/induzido pela coragem do fiel criado.”
Notável escritor do verbo e da terra, das águas e da luz, Renato poética-admirada-eloquentemente, crônica-perplexa-mnemonicamente nos desvela um horizonte e nos abre um espaço no qual é possível recordar o quanto a literatura é (re)criadora. Literatura que não se expunge, não faz intertexto e não sacia quem a bebe aos sorvos. Nesse gesto, o leitor se compraz em “pranto, delícia, canção e oração”, como nos diz o poeta, ressalvando da luz sua nitidez etérea.
Não há, aqui, como não recorrer a Shakespeare, em algum lugar de seu The Tempest, quando este assevera sermos feitos da mesma matéria de nossos sonhos. Diante da matéria literária que Renato Augusto Faria de Carvalho nos oferece, é quase um imperativo alçarmos, por meio desta, o devaneio estético da literatura encetada pelo poeta e desenvolvida em consonância (afinação) com a gênese. Celebremos, assim, este canto órfico ao repetir: ...Haja, ainda, partículas de sol; haja, ainda, partículas de sol...      
                                                                           



Renato Augusto Farias de Carvalho nasceu em Manaus/AM no dia 30 de junho de 1935. Em sua terra natal, estudou no Colégio Salesiano Dom Bosco. Na cidade do Rio de Janeiro/RJ, para onde se mudou em janeiro de 1952, continuou seus estudos no Colégio Andrews, tendo participado do Grêmio Acadêmico, que ajudou a fundar. No início de 1978, passou a residir em Niterói/RJ. Graduou-se em Letras (Língua e Literatura – Português/Francês) na então Faculdade de Humanidades Pedro II (FAHUPE). Pós-graduou-se em Administração Pública na Fundação Getúlio Vargas. Exerceu diversas funções e cargos na Previdência Social (Direção Geral – RJ), aposentado-se em 1989. Ocupante da cadeira nº 6 da Academia Niteroiense de Letras, também é membro do Cenáculo Fluminense de História e Letras e da Associação Niteroiense de Escritores. Publicou os seguintes livros: Porto de Ocasos (ficção/memórias. 1998. Editora Cromos), Poesia-do-que-eu-quis (poemas. 2002. Editora Cromos) e Vinho e Verso (poemas. 2005. Ed. Valer). Entre as diversas medalhas já recebidas, destacam-se a José Cândido de Carvalho (conferida pela Câmara Municipal de Niterói) e a do Mérito Cultural Belas Artes (conferida pala Associação Fluminense de Belas Artes). Participou, como entrevistado, do projeto “Personalidades de Niterói”, iniciativa da Associação Atlética do Banco do Brasil – AABB/Niterói. Autor dos enredos carnavalescos “Jorge Amado – do País do Carnaval à Tieta do Agreste” (1978) e “E agora malandro? – Você ganhou a loteria!” (1979), desenvolvidos para Escolas de Samba de Niterói, e de monografia sobre o Clube da Madrugada (movimento cultural de escritores amazonenses nos anos 1950). Das muitas palestras proferidas, destacam-se: “Teatros do Brasil” (participação de Beatriz Chacon e Thuany Feu de Carvalho), “Fagundes Varela”, “Cora Coralina e Manoel de Barros (participação de Gracinda Rosa e Lena Jesus Ponte), “Xavier Placer, 50 anos de literatura”, “Adelino Magalhães, e o pré-modernismo”, “Cora Coralina e Florbela Espanca, um encontro tão possível”, “Articulação poética aproximando Luiz Barcellar e Jorge Tufic” e “Lindalva Cruz e suas composições amazônicas”. É autor de contos e crônicas publicados em jornais e revistas e de alguns prefácios. Possui textos em antologias.



Convite dos lançamentos, clique na imagem para ampliar.
 
 
 
 
 
 
 
 

17 comentários:

  1. José Carlos Duarte dos Santos1 de dezembro de 2012 10:25

    Caramba Kahlmeyer!!!

    Que bom ver o Literatura vivência de nova na ativa! Porra, me desculpem os demais, mas o seu blog é o melhor quando se trata de literatura em Niterói!
    Lamento que tenham se tornado escassas as postagens.

    Sou teu fan, cara!
    Abraços
    do Zeca

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vou concordar com o comentador acima. fica difícil concorrer com o lv. acho que a qualidade do blog, além do atraente projeto gráfico e dos vídeos que são sempre interessantes, está em não noticiar qualquer bobagem. Ao final, os textos são imbatíveis!

      Poderiamos ter lv mais vezes no mês!
      Abraços
      Lucas

      Excluir
  2. Que bom ter essa sensação gostosa de novo. Roberto, pelo amor de Deus, continue esse trabalho. Vamos fazer um brinde : Que a CULTURA prevaleça. Sempre.
    BJs
    Belvedere

    ResponderExcluir
  3. Texto espetacular, capa espetacular, clip espetacular! O livro do Renato não deve ser menos espetacular!

    Irei ao lançamento aqui em Copa.
    Obrigado por me avisar.

    Att
    Mariana Ribeiro

    ResponderExcluir
  4. BRILHANTE!!!! SÓ PARA VARIAR...

    ResponderExcluir
  5. Isto sim, é surpresa boa! Literatura Vivência ativo! Maravilha, Roberto, um forte e amigo abraço. E trouxe nada mais nada menos que o livro do Renato Augusto Farias de Carvalho, e com essa capa linda do Will! É só coisa boa! (e tome exclamação!).
    Carlos Rosa Moreira.

    ResponderExcluir
  6. Roberto Castanheira1 de dezembro de 2012 17:07

    O Blog é 1000, cabendo ressaltar, trata a cidade de Niterói com o carinho e respeito que ela merece.

    ResponderExcluir
  7. Roberto, amigo meu!

    São por essas e outras que eu acho um crime você interromper o funcionamento do blog!
    Quando estávamos no cume você parou com tudo. No ápice da festa você deu um stop!

    Aquele projeto dos livros que marcaram Niterói merecia um prêmio! Era um resgate e tanto!

    Parou porque, porque parou?
    Abraços do admirador,

    Alanir

    ResponderExcluir
  8. Renato Augusto Farias de Carvalho1 de dezembro de 2012 21:22

    Meu caríssimo Roberto,

    uma surpresa dupla! Que raios da tua"vivência" reanimaram "partículas" dessa luz que te expõe? Eu, entre espanto de mim mesmo (e essa dúvida terrível) me escondo na invenção metafórica do verso - e me envergonho da astúcia. Estou, apenasmente, para te dizer OBRIGADO e não para um discurso (literário). Coincidentemente, tenho em mão um livro de Antonio Carlos Secchin onde ele comenta(entre tantos outros) o Fabrício Carpinejar e seu maravilhoso "As solas do sol." "Um cosmo sem fronteira"! (...) Eu me sinto em um paradoxo: dentro de mim o pensamento, o desejo, o vendaval da luz e o escuro da incerteza. O indizível. Fora de mim este desconforto do talento pobre, este i/logismo inexpressivo. Sinto-me premiado sob teu gesto bondoso. Tudo isso te faz obrigatório a essas dezenas de pessoas que acompanham o Literatura-Vivência. Não podes faltar.
    Sou muito grato.

    Afetuoso abraço do
    Renato.

    ResponderExcluir
  9. Sou obrigado a concordar com o autor enfocado, em seu depoimento! Literatura Vivência é obrigatório, é necessário, trata-se do melhor blog literário que Niterói.
    Saibam, é um privilégio ser enfocado em uma matéria deste espaço, Renato, você pode se sentir um privilegiado!

    Kahlmeyer,
    está na hora de retornar ao nosso convívio,
    com carinho Lucíllia

    ResponderExcluir

  10. Deve ser muito bom o livro de Renato de Carvalho, a julgar pela crítica!

    O blog dá mostras da saúde e inteligência do "outro lado da poça".

    Me decepcionei muito da última vez que tive contato com a literatura de Niterói, salvando o Luiz Augusto Pimentel o resto é de uma mediocridade só: pseudo-literatos que são tão senis quanto convencidos de si, movimentos em calçadas e pracinhas (onde uns velhos jogam gamão, os outros posam de José Saramago), velhas caquéticas dizendo versinhos ingênuos...
    O livro de Renato deve ser bom, irei ao lançamento aqui no Rio, o blog divulgador é ouro puro!

    Passarei a acompanhar vocês!

    Sinceramente,
    Niamar Tannury

    ResponderExcluir
  11. Karákas, Kahlmeyer! A paisagem do vídeo parece com a da capa do livro!!! Foi de propósito?

    ResponderExcluir
  12. muito bem kahlmeyer, muito bem!
    vc tem um grande estilo ao escrever!
    parabéns renato pelo novo e belo livro.

    leda rego

    ResponderExcluir
  13. Francisco da Cunha e Silva Filho4 de dezembro de 2012 10:47

    Caro Roberto:

    Há tempos não nos comunicamos. Você sumiu! Entretanto, conversando, por telefone, com o Luiz Antonio Barros, ele me informou que você, tendo sido aprovado em concurso, se não me engano no Paraná, para lá se mudará.
    Os contato por e-mails, pelo menos, da minha parte desejo manter com você e com Niterói.
    Até mesmo para a publicação do livro do Lili Leitão e. Luís Figueiredo.

    Continuo no meu blog com meus artigos e traduções. Este ano não deu pra tentar o pós-doutorado na UERJ. Porém, está nos meus planos para o início do ano de 2013.
    Espero que tenha sucesso na docência universitária e faça uma bela e produtiva carreira.

    Um abraço do amigo e admirador.
    Cunha e Silva Filho.

    Cunha e Silva Filho

    ResponderExcluir
  14. Gênio!

    Abraços da cada vez mais admiradora,
    Angela Martius

    ResponderExcluir