segunda-feira, 30 de julho de 2012

Beatriz Chacon, Babette e a bossa na “cozinha” poética



Beatriz Escorcio Chacon, autora de Mesa Posta (Cromos, 1991)


A poesia é comunhão, e toda comunhão depende da companhia do outro com quem se comunga (não é à toa que companhia viria do latim com + panem, significando “dividir o pão com alguém”). Assim, toda poesia tem algo ceia e libação; é por isso que muitos poetas abrem a casa, põem a mesa e dão banquete. Entretanto, para quem gosta da poesia íntima e espontânea (daquela poesia que, como bossa nova, se canta em voz baixinha), o recato da cozinha é melhor do que o esplendor e etiqueta das salas. É na cozinha que o verso fica a frigir enquanto se corta tempero, que a palavra ganha sentido ao cheiro do simpático refogado, e que o poeta se faz duplamente sacerdote como a cozinheira do filme A Festa de Babette. Assim é a poesia de Beatriz Chacon, com ela, a mesa é posta, e lugar de poeta – felizmente – é na cozinha.



Mesa posta

Venha minha vó
o nosso ensopado traz
o aipim feitinho agora
tudo o que se plantou
não esqueça a travessa
a fumaça e a
terrina pintada em flor

chegue com seu avental
engomado em laçarote
cadê você? com o cuidado
do branco pano bordado
– Domingo! –
entre rendas
pontos de cruz
                      (p.37)




Poema na cozinha


                           Para Carlos Drummond de Andrade

Refogo meu triste arroz
Pressa cebola e cansaço
E o coração afogado
Tanta fila cidade e batente
Um dia todo não cabe
No ônibus nove nove nove lotado
E a notícia aqui dentro gravada
– o poeta se foi assim apressado.

Vou correndo sem querer olhar
Não me desculpo
Um corpo quieto em close na tevê
(o poeta ali sem escrever nada)
E boba chorei com o José
E com toda dona de casa
(mãos flores mais um close/flores Dolores)
Poeta nem combina com aquela máquina.
                                                    (p.149)









Prato feito

Poesia nas mãos
quiabo no fogo
carente o almoço 

há gosto em se dar
a palavra metade
o grude imitando a carne

sentir meio insosso
e a língua se prova
de angústia de arroz 

meio quilo que falta
e o verso na folha
de dor ensopada

sabor pela boca
coração na barriga
prendendo um marido:

prato feito servido
eis a fatia do dia!
e a requentada poesia.
                          (p.19)







A canção como uma flor 

Ângelo Longo 

Este livro – Mesa Posta é sugestão de ágape de primitivos cristãos em comunhão fraterna – sinaliza um artífice e aponta um talento: Beatriz Escorcio Chacon em suas páginas magistrais utiliza pincéis de aleluias e hosanas e trabalha cores de coisas simples para realizar uma tarefa de rara competência poética, na revelação misteriosa de denúncias de querer e denúncias de desamor. Tudo em Mesa Posta é biblicamente consagrado: desde a santificação de cantos irmãos a estrofes críticas de apostolados infiéis.
Beatriz Escorcio Chacon iguala-se a outras importantes vozes de nossa poética, concebendo uma dicção universal e transformadora, plena de uma linguagem de humanidade e paz, coro de ungir canções em catálogo de profecias. Beatriz liga-se, religa-se cristicamente ao gorjeio de outros pássaros, na tessitura de novas madrugadas. Mesa Posta não é banquete de iguarias vulgares.
Mesa Posta, desta notável e grande poeta Beatriz Escorcio Chacon, é a presença maior de uma artista autêntica, produzindo poemas de absoluta transparência estética e de extraordinária transcendência lírica. É livro de estreia, não definitivo, mas definidor: há uma estranha voz nas vozes multiformes deste livro encantador. Ela identifica o labirinto, refaz o enigma e acorda itinerários na pauta de sons interrompidos.
Elegendo a praça pública para púlpito de uma mensagem de poesia, Beatriz Escorcio Chacon leva seu ofício a anfiteatros de múltiplas paisagens e auditórios de variadíssimos quilates: o importante – em poesia, tudo é importante – é conduzir a canção como uma flor na correnteza, sem distinguir a distância da foz ou da agonia das margens.



10 comentários:

  1. Beatriz Chacon, mulher maravilhosa, poeta e intérprete das melhores. Costumo dizer que Beá é minha musa! Quem não fica em estado de graça assistindo suas interpretações? Céus!!!!!!!!!!
    Ave Beá!
    Beijos
    Belvedere

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não entendo o silêncio que anda rolando aqui no blog.Estranho. Roberto trabalha, divulga, e o que vejo é os comentáriios cada vez menores. Que ele não se sinta desestimulado, pois muitos sabem olhar esse trabalho da forma que ele merece. Que vc nunca desista, Roberto!
      Abraços

      Excluir
  2. Maravilha de postagem. Tudo bonito e gostoso, tudo de bom gosto. A poesia de Beatriz Chacon é bela, nuançada, imagética. Você colocou essas imagens do sensacional "Il pranzo de Babette", ou festa, como queiram. E ainda há a foto da Beatriz, lindamente "soixante" ou "soixante-dix".
    Parabéns, Roberto, seus alunos devem estar dizendo: iraaaaaaaado, prooof.
    Abração.
    Carlos Rosa.

    ResponderExcluir
  3. Beatriz,
    Faltava você, nossa Adélia Prado, no Literatura & Vivência. Agora, a mesa está posta. Nesta tarde fria e cinzenta, seus versos me alimentaram. Grato, amiga.
    Grande abraço,
    Wanderlino

    ResponderExcluir
  4. Renato Augusto Farias de Carvalho31 de julho de 2012 17:25

    Beatriz Chacon traduz, na sua poética,a fragilidade maravilhosa da alma e do pensamento feminino.
    Ademais, como diria Mário de Sá Carneiro " é uma sucessão de Beleza...seu olhar coleia em frenesis
    de mágicas " . A simplicidade de Beatriz Chacon permite o mais puro enlevo no seu sacerdócio de
    poeta. Beatriz se permite parir a ingênua e comprometida palavra que, aliás, só os poetas em
    mutações contínuas podem sorver em taças absolutamente cristalinas e transparentes aos olhos e
    aos corações. A mesa de Beatriz é um simbolismo tênue, uma porcelana convidando aqueles que
    saberiam participar... Àlias, nem todos. Beatriz não se mostra a toda hora: não é preciso Beatriz
    é criação, patrimônio, um encanto desmedido, um astral que fala de um fardo e o transforma em
    relíquia, como maças que transmitem desejo e perfume. Muito obrigado Roberto, por colocar no
    video essa amostra de fertilidade e rara expressão da poesia contenporânea. Eu aprendo beleza
    nos riscados de Beatriz Chacon. Um abraço Renato

    ResponderExcluir
  5. PREZADO AMIGO,

    É SEMPRE GOSTOSO RECEBER TEXTOS DE QUALIDADE COMO ESSE POR VCENVIADO. É BOM LEMBRAR QUE A BEATRIZ CHACOM É UM DAS MAIS INSPIRADAS POETA QUECONHEÇO.

    OBRIGADO, VALEU A IDÉIA

    JOSÉ DE SOUZA

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde, caro Roberto Kahlmeyer.

    Literatura poética com inteligência...

    "Amor, prestígio... Tudo é efêmero. Só há uma coisa eterna.
    É a inteligência! Amor, beleza, fortuna, nada resiste à força
    da inteligência."
    (Joracy Camargo).

    Saudações poéticas,
    Alberto Slomp.

    ResponderExcluir
  7. Branca Eloysa Pedreira Ferreira31 de julho de 2012 17:27

    Para amar beatriz tem que ler Hino ao Crítico de Maiakóvski. "Escritores, há muitos. Juntem um milhar./ E ergamos em Nice um asilo para os críticos/

    Vocês pensam que é mole viver a enxaguar/A nossa roupa branca nos artigos?

    Beatriz é hors concours.
    Branca

    ResponderExcluir
  8. Roberto, que beleza de postagem, cheia de bom gosto e gosto bom. A poesia da Beatriz é imagética, nuançada, com gli ingredienti que fazem a gente descobrir perfume na curva. Recordar esse filme, que delícia... E a foto, linda, a poetisa tão "soixante" ou "soixante-dix", um pouco à la Schnneider, mas bem mais bonita. Parabéns, meu amigo, um aluno teu diria: iraaaaado prooof!
    Carlos Rosa Moreira

    ResponderExcluir
  9. Olá professor Roberto...poemas saborosos ao paladar da alma. Um abraço. Mauro Nunes

    ResponderExcluir