quarta-feira, 20 de junho de 2012

No “Café Vida” com Otto, Nelson, Bandeira e Wanderlino



 Café pingado, foto de Alex Silva



Daquele memorável colóquio entre Otto Lara Resende e Nelson Rodrigues surgiu, do primeiro, uma constatação: “O homem sofre porque morre!”; do segundo, uma contestação: “Não, Otto, o homem sofre porque vive”. O sofrer ao qual Nelson alude é afeto típico da vida, o mesmo que o poeta transforma em versos quando a vida lhe dói (e ela lhe dói...). O ardor a pelar-lhe a alma, a palavra presa em lábios retesados, o travo amargoso na boca: o drama da existência num café pingado. É assim o novo livro de Wanderlino Teixeira Leite Netto, bem diferente de suas demais obras.
Se em Retrato sem moldura (1999) e Beijo de língua (2007) encontrávamos uma alegria tépida (quase aquela fominha eufórica antes do desjejum), em Café pingado (2012) vemos o poeta entregue à contemplação do vórtice de sua xícara. Fazer poesia assim, não é catar na superfície a nata das palavras, pois é da intimidade do ânimo que vêm os versos deste novo e inusitado WTLN. Ali, todos os poemas soam de profundis, é o que se adjudica em “Desconstrução”:

Não são meros desvãos,
mas um enorme vazio.
A causa não foi um sismo.
Entre os dois há um abismo
cavado em solo macio
com as conchas das próprias mãos.


Nesta poesia, entretanto, mais do que sentimentos pungentes, ferve a certeza de que estamos diante de algo grande, algo que deixa a anos luz a poesia menor que nos azia. Este “algo poético” é promovido pelo mesmo fôlego dos grandes poetas (nada de formas, técnicas ou astúcias, mas o esprit).
Tal avaliação não é exagerada, afinal, o leitor notará que poesias como “Indagações” e “Sequelas” foram coadas no mesmo filtro que Manoel Bandeira passou o seu “Rondó do Capitão”, rogando: “tirai este peso de meu coração...” Mesmo pedindo para ter o peso da existência aplacado, tanto Bandeira quanto Wanderlino sabem que não tem “colher”, não se adoçam em demasia, não se baldeiam, tampouco se requentam as dores da vida, com estas, há que ser ter paciência, deixá-las chegar (sem assoprar) à temperatura da boca e sorvê-las aos golinhos. Sim! Nossos poetas sabem que – em se tratando de sua arte – as dores da vida são tão mais bonitas quanto mais doridas soam. 

É um belo livro, este que Wanderlino Teixeira Leite Netto lançará amanhã:








11 comentários:

  1. Ah, Roberto, eu, que lido com as palavras, busco agora o que dizer e não consigo. Quando me emociono, acontece assim. Receba, então, o mais singelo nuito obrigado.
    Grande abraço,
    Wanderlino

    ResponderExcluir
  2. Caramba, Roberto! Que texto lindo.
    Não é para menos que o autor ficar emocionado.
    Moro perto do Batata Doce Café, vou dar um pulinho lá para conferir o Café Pingado do Wanderlino.

    ResponderExcluir
  3. Haja coração! Amanhã é dia de festa. EStou ansiosa pelo café pingado.Um abraço, amigos. Espero encontrar todos no Batata Doce Café! Belvedere

    ResponderExcluir
  4. Uma marca tem que ter significado, representar um conteúdo. Do contrário, se esvazia em si mesma. Assim dizem os teóricos da comunicação.

    WTLN é um logotipo, uma marca. Marca (registrada em cartório com direito a testemunhas e tudo…rs) repleta de significados que lhe confere seu portador, artífice de texto apurado e fluido, por onde transborda criatividade com sabor único, e convida sempre a mais uma dose, à reflexão e ao prazer.

    Elegante conduz, habilmente, a sempre presente inspiração ao leitor que sai da leitura modificado, o paladar apurado.

    Assim se queda o leitor ao longo de toda a obra (acaba de emplacar vinte livros) de WTLN : surpreendido às vezes, gratificado em outras. Mas nunca como antes. Nunca.

    WTLN é marca de valor na literatura nacional.

    Abraços do Will – um fan (ou um seguidor, para ser moderno. rs)

    Amanhã vamos reencontrar o amigo e saborear um café. Pingado, claro!

    ResponderExcluir
  5. Renato Farias de Carvalho20 de junho de 2012 14:38

    Caro Roberto: tem sido uma vivência nova . A poesia de Wanderlino (você diz tudo ) é como o lugar da árvore "levitando em silêncio". Receio que meu comentário não se aproxime da beleza . Gostaria de merecer os Noturnos de Manuel Bandeira - " Aqui é o silêncio que tem voz " o tácito encanto de Vinicius de Moraes e da nossa tão estimada poetisa Professora Neusa Peçanha ; é dela este trecho :

    " Por onde andam os poetas/ os poetas que já se foram? / Os que cantaram as estrelas/ e agora são pastores entre elas ; / que cantaram a lua / e agora descem à terra / pelos raios do luar. "

    Wanderlino incorpora o zelo, a dúvida , a vivência, o espanto... e a ternura. O simbolo do Café Pingado é uma " roda " literária de imenso valor. Muito bom sermos todos convidados. Com afeto, Renato Augusto

    ResponderExcluir
  6. Olá Roberto, Bom Dia,

    estou em viagem, mas, por sugestão da Belvedere, enviei um SEDEX que deve chegar amanhã, 4a feira, ao seu endereço em Itaipu, contendo: "Libido aos pedaços" - Ed.Record, 2011 (Romance) e "Confissões de um anjo da guarda" (Contos) 2008, Ed. Bertrand Brasil, p/Vc; conhecer algo da minha lavra.

    Abs. até,

    Carlos Trigueiro

    ResponderExcluir
  7. Carlos Trigueiro é um escritor maravilhoso!Na minha opinião merecia levar o Jabuti- 2012 - pelo romance Libido aos pedaços. O livro é tudo de inimaginável, gente!
    Procurem conhecer aobra do Trigueiro, escritor que já escreveu inúmeros livros e está entre os melhores de nosso Brasil.
    Belvedere

    ResponderExcluir
  8. Amigos, espero encontrar vocês para o Café PIngado! Que bela surpresa o Wanderlino nos reservou. Não vejo a hora de ter em mãos mais uma obra desse grande autor.
    Abração
    Belvedere

    ResponderExcluir
  9. Uma marca tem que ter significado, representar um conteúdo. Do contrário, se esvazia em si mesma. Assim dizem os teóricos da comunicação.

    WTLN é um logotipo, uma marca. Marca (registrada em cartório com direito a testemunhas e tudo…rs) repleta de significados que lhe confere seu portador, artífice de texto apurado e fluido, por onde transborda criatividade com sabor único, e convida sempre a mais uma dose, à reflexão e ao prazer.

    Elegante conduz, habilmente, a sempre presente inspiração ao leitor que sai da leitura modificado, o paladar apurado.

    Assim se queda o leitor ao longo de toda a obra (acaba de emplacar vinte livros) de WTLN : surpreendido às vezes, gratificado em outras. Mas nunca como antes. Nunca.

    WTLN é marca de valor na literatura nacional.

    Abraços do Will – um fan (ou um seguidor, para ser moderno. rs)

    Amanhã vamos reencontrar o amigo e saborear um café. Pingado, claro!

    ResponderExcluir
  10. Degustei o café pingado e o "Café Pingado". O primeiro é sempre bom, mas o segundo é banquete para os sentidos. Escrevo isto após o lançamento, que foi uma bela e agradabilíssima festa, um delicioso encontro de amigos, conhecidos e de pessoas que amam a poesia. Will e Renato, meu bom padrinho, têm razão em tudo que dizem do WTLN.
    Carlos Rosa.

    ResponderExcluir
  11. Se a resenha é boa assim, fico imaginando o livro!

    ResponderExcluir