sábado, 16 de abril de 2011

D. Pedro II: Literato e verdadeiro Patrono da inteligência brasileira

Quem são os “atores” da Renascença Fluminense? As postagens anteriores suscitaram perguntar como essa. Essas desejam saber se teríamos talentos que pudessem encabeçar a proposta de um renascimento da cultura literária fluminense (e, se caso houvesse, quem seriam essas figuras). As postagens que se seguirão a esta vêm responder a essas indagações. Apresentaremos alguns dos escritores que compõem o significativo cenário da literatura fluminense (sejam eles vivos-atuantes ou pertencentes a um passado ainda muito vigente). Consideremos homenageados os nomes aqui contemplados; estejamos, pois, preparados para o que é reconhecido como o melhor e o mais louvável na literatura feita no Rio de Janeiro.



Terra do Brasil, Dom Pedro de Alcântara

Espavorida agita-se a criança,
De noturnos fantasmas com receio,
Mas se abrigo lhe dá materno seio,
Fecha os doridos olhos e descansa.


Perdida é para mim toda a esperança.
De volver ao Brasil; de lá me veio
Um pugilo de terra; e neste creio
Brando será meu sono e sem tardança...


Qual o infante a dormir em peito amigo,
Tristes sombras varrendo da memória,
ó doce Pátria, sonharei contigo!


E entre visões de paz, de luz, de glória,
Sereno aguardarei no meu jazigo
A justiça de Deus na voz da história!


4 comentários:

  1. Grande lembrança, Roberto.

    Na antologia de seu site não poderia faltar esta figura iluminada que foi Pedro II.

    Admiração sempre!!!
    Pedro Gremião

    ResponderExcluir
  2. Sônia Lobo (pedagoga)16 de abril de 2011 12:45

    Prezado Roberto
    Que feliz lembrança!
    Pedro II seria, sem dúvida, um grande partono da cultura e intelectualidade nacional!

    ResponderExcluir
  3. Roberto, meu nobre alemão!
    Feliz é a lembrança de D. Pedro II.
    Um literato, um intelectual, um irmão!
    abraço
    Marco

    ResponderExcluir
  4. Com certeza D.Pedro II foi o maior dos brasileiros.

    ResponderExcluir