quinta-feira, 3 de março de 2011

Marco Lucchesi na ABL

A Academia Brasileira de Letras (ABL) elegeu, nesta quinta-feira (3/3/2011), o escritor carioca Marco Lucchesi para assumir a cadeira número 15.
Especializado em literatura italiana, o novo "imortal" traduziu romances de nomes como Primo Levi (1919-1987) e Umberto Eco. Autor também de "Ficções de um Gabinete Ocidental", "A Memória de Ulisses" e "Meridiano Celeste & Bestiário", Lucchesi vai ocupar a cadeira nº 15, em substituição ao padre Fernando Bastos de Ávila, que morreu no último dia 6 de novembro.
Segundo a ABL, Lucchesi recebeu 34 dos 38 votos possíveis (foram três abstenções e um voto em branco). Compareceram à sessão 26 acadêmicos, nove dos quais votarem presencialmente. Houve 27 votos por carta.
A cadeira nº 15 tem como patrono poeta e teatrólogo Gonçalves Dias e seu primeiro ocupante foi Olavo Bilac. Além de Bilac e do padre Ávila, ocuparam a cadeira Amadeu Amaral (1875-1929); Guilherme de Almeida (1890-1969); Odylo Costa, filho (1914-1969); e dom Marcos Barbosa (1915-1997).
— A chegada do escritor Marco Lucchesi constitui uma contribuição das mais valiosas para o quadro da Academia. Jovem e brilhante, certamente será de muita valia para os projetos e propostas que nossa Casa deseja implementar nos próximos anos —, afirmou o Presidente da ABL, Acadêmico Marcos Vinicios Vilaça.
Confira aqui trecho inédito da entrevista de Marco Lucchesi concedida a Roberto Kahlmeyer-Mertens:
Talvez devesse iniciar nossa conversa indagando em qual idioma você preferiria ser entrevistado. (Risos)

Podemos escolher a telepatia. Ou talvez o velho sonho que me atraiu no fim da meninice: o Esperanto. (Risos)

O esperanto... o velho sonho que nomeou o anseio por unidade de Zamenhof, precedido de diversas tentativas malogradas.

Impraticáveis! O volapuque, por exemplo... Kahlmeyer, Kahlmeyer! Vamos desesperados ao português, que é a língua que nos sabe e pronuncia. A mais sentida e amada. A que nos resta. A que nos diz.

Em verdade, mais que uma pergunta, meu preâmbulo espirituoso e bastante temerário pois, uma vez que você é fluente em pelo menos dez idiomas, incluindo o alemão, o russo e o romeno; se move razoavelmente por outros tantos, como o persa e o búlgaro e tem noções de polonês, turco e servo-croata, acabaria me expondo ao seu conhecimento de línguas. E não seria exagero dizer que talvez fosse preciso uma junta de tradutores para essa entrevista (risos).

Uma junta de tradutores. Uma junta de construtores – da torre de Babel. Uma junta de curiosos e desesperados.

A piada tem o propósito de introduzir a conversa... Justamente por seu interesse pelas línguas. Qual o peso que isso tem para você?

Jamais pensei chegar a esses quinze idiomas. Foi uma necessidade de comunicação. De lançar pontes. Ao sul e ao Norte. E depois para Leste. E morei anos a fio no pensamento desse Leste. Fim de meus anos vinte aos quarenta. Estudei com afinco. Diria mesmo brutalidade desinências, estruturas, formas verbais, casos e declinações. Hoje continuo estudando aquelas línguas e buscando sempre novas. Mas não com a mesma terrível disciplina. Apesar da minha ‘fome’ linguística não ter passado, procuro hoje outras dimensões. Outras demandas. A língua como pátria. E a história com suas terríveis demandas. 

Em um de seus últimos livros, O canto da unidade, você traduz a poesia do místico persa Jalal-al-Din Rumi. Não saberia avaliar, do ponto de vista técnico, sua tradução desde o persa, mas com alguma intuição de leitor de poesia, e conhecendo suas traduções de Hölderlin e Trakl, presumimos estar diante de um daqueles poucos casos em que o texto original não se obscurece com a tradução. Coisa que ocorre, por exemplo, quando um Friedrich Schleiermacher traduz Platão, ou um Machado de Assis traduz Vitor Hugo. Como obter esse resultado traduzindo de uma língua tão árida como o persa?

Custou muito. Poemas breves, mas com a índole do persa, toda concentração e harmonia. Volume. Espessura.  Hölderlin e Trakl são poetas da minha adolescência. Como os amei e sofri. Estudei alemão desde cedo e aquelas melodias ficaram ressoando em mim. Como é belíssima a poesia alemã. Traduzi Rilke. E poemas esparsos outros de Grass, Kunze e Birman.  Mas também Nietzsche. Traduzir Rumi – e foram dois livros – constitui-se num desafio de elaborar correspondências íntimas entre duas línguas próximas e distantes. Schleirmacher tinha um projeto bastante nítido em Platão, lido até o século XIX com as lentes neoplatônicas da Academia de Ficino e Pico. Às vezes a manutenção do obscuro é uma virtude.  Estou organizando a exposição do centenário da morte de Machado de Assis para a Biblioteca Nacional – e que horas esplêndidas trabalhando com o Mestre. Um de nossos maiores escritores e ainda tão mal conhecido entre nós.  O capítulo da tradução em Machado é fascinante. A clareza é belíssima. E também o opaco é cheio de harmonia. E valor.

(Esta entrevista estará publicada na íntegra no livro: Conversações com intelectuais fluminenses, a ser publicado até julho de 2011)


8 comentários:

  1. Claudio Magalhães3 de março de 2011 21:44

    Prezado Colega Professor Kahlmeyer, Muito legal este seu Blog. Gostei da postagem sobre o Lucchesi, embora eu saiba que, não demorará muito para que você também esteja na ABL.
    Abraços de quem muito de admira.
    Claudio

    ResponderExcluir
  2. Excelente Blog Kahlmeyer! Matéria de primeira

    ResponderExcluir
  3. Espetáculo de Blog Roberto! Continue assim!

    ResponderExcluir
  4. Alcirema Rodrigues Perlingeiro4 de março de 2011 17:02

    Ninguém para mais esses meninos!

    ResponderExcluir
  5. Roberto, você é um fenômeno na área cultural.
    Abs
    Belvedere

    ResponderExcluir
  6. Saúdo, um tanto atrasado, mas cheio de entusiasmo e louvor, o blog Literatura-Vivência, de um dos maiores expoentes da jovem intelectualidade fluminense - R. S. Kahlmeyer-Mertens. Aliás, Doutor PDH em Filosofia R. S. Kahlmeyer-Mertens, de cuja amizade e companheirismo tenho o privilégio de compartilhar, assim como de doces ideais, como o de uma nova renascença fluminense. Creio que este blog se insere nesta trincheira, inaugurado não por acaso, entre as suas primeiras postagens, com a notícia da ascensão de Marco Lucchesi à Academia Brasileira de Letras, na esteira de grandes nomes da cultura fluminense, igualmente guindados em nossa era literária para os quadros da ABL, como Marcos Almir Madeira, Antonio Callado e José Cândido de Carvalho. Essa presença fluminense, agora renovada por Lucchesi, rememora Euclydes, Casimiro, Albero de Oliveira, Fagundes Varela e tantos outros vultos de nossa terra que marcaram pela patromínia ou por uma real participação naquela casa. Lucchesi na ABL, Kahlmeyer na blogosfera e esse justo título de doutorado recém conquistado merecem ser comemorados com fervor por todos aqueles que amam a cultura fluminense.
    As saudações sinceras deste modesto editor que muito se orgulha de tê-lo como companheiro de ideais e de belas jornadas.
    Luiz A. Erthal
    Editora Nitpress

    ResponderExcluir
  7. Fabio Sousa Soares10 de março de 2011 17:38

    Roberto!
    Seu Blog é algo mais!
    Muito bacana mesmo!

    Ele testemunha o êxito do trabalho que vc vem desenvolvendo por nossa cidade, por nossa cultura, nossa literatura e nosso pensamento.
    Você é O cara. Só não ver quem tem má vontade ou quem é burro o bastante para isso.

    Estou apostando aqui com um colega se daqui há und 10 anos vc também não estará na ABL, como o fodão do Lucchesi!

    Abraço do admirador Fabio e da Mariana (minha cara-metade)

    ResponderExcluir
  8. Roberto está fazendo uma linda trajetória. Ouvi-lo,, como eu ouvi, quando recebeu a medalha na Câmara, foi de tirar o fôlego. Ele hipnotiza!!!!!!!!!
    É um orgulho tê-lo entre nós.
    Belvedere

    ResponderExcluir