sexta-feira, 1 de março de 2013

Sabino acima de todos os tratados de estética...

 



A crônica que se segue endossa a afirmação de Kant segundo a qual o belo é o que aumenta nosso sentimento de vida, bem como o projeto nietzschiano de pensar a vida como literatura. Que as palavras de Sabino se coloquem acima de todos os tratados de estética.

Ao Carlos Rosa Moreira
 

 

 
 
 
A última crônica
 
 
A caminho de casa, entro num botequim da Gávea para tomar um café junto ao balcão. Na realidade estou adiando o momento de escrever. A perspectiva me assusta. Gostaria de estar inspirado, de coroar com êxito mais um ano nesta busca do pitoresco ou do irrisório no cotidiano de cada um. Eu pretendia apenas recolher da vida diária algo de seu disperso conteúdo humano, fruto da convivência, que a faz mais digna de ser vivida. Visava ao circunstancial, ao episódico. Nesta perseguição do acidental, quer num flagrante de esquina, quer nas palavras de uma criança ou num acidente doméstico, torno-me simples espectador e perco a noção do essencial. Sem mais nada para contar, curvo a cabeça e tomo meu café, enquanto o verso do poeta se repete na lembrança: "assim eu quereria o meu último poema". Não sou poeta e estou sem assunto. Lanço então um último olhar fora de mim, onde vivem os assuntos que merecem uma crônica.
Ao fundo do botequim um casal de pretos acaba de sentar-se, numa das últimas mesas de mármore ao longo da parede de espelhos. A compostura da humildade, na contenção de gestos e palavras, deixa-se acrescentar pela presença de uma negrinha de seus três anos, laço na cabeça, toda arrumadinha no vestido pobre, que se instalou também à mesa: mal ousa balançar as perninhas curtas ou correr os olhos grandes de curiosidade ao redor. Três seres esquivos que compõem em torno à mesa a instituição tradicional da família, célula da sociedade. Vejo, porém, que se preparam para algo mais que matar a fome.
Passo a observá-los. O pai, depois de contar o dinheiro que discretamente retirou do bolso, aborda o garçom, inclinando-se para trás na cadeira, e aponta no balcão um pedaço de bolo sob a redoma. A mãe limita-se a ficar olhando imóvel, vagamente ansiosa, como se aguardasse a aprovação do garçom. Este ouve, concentrado, o pedido do homem e depois se afasta para atendê-lo. A mulher suspira, olhando para os lados, a reassegurar-se da naturalidade de sua presença ali. A meu lado o garçom encaminha a ordem do freguês.
O homem atrás do balcão apanha a porção do bolo com a mão, larga-o no pratinho - um bolo simples, amarelo-escuro, apenas uma pequena fatia triangular. A negrinha, contida na sua expectativa, olha a garrafa de Coca-Cola e o pratinho que o garçom deixou à sua frente. Por que não começa a comer? Vejo que os três, pai, mãe e filha, obedecem em torno à mesa um discreto ritual. A mãe remexe na bolsa de plástico preto e brilhante, retira qualquer coisa. O pai se mune de uma caixa de fósforos, e espera. A filha aguarda também, atenta como um animalzinho. Ninguém mais os observa além de mim.
São três velinhas brancas, minúsculas, que a mãe espeta caprichosamente na fatia do bolo. E enquanto ela serve a Coca-Cola, o pai risca o fósforo e acende as velas. Como a um gesto ensaiado, a menininha repousa o queixo no mármore e sopra com força, apagando as chamas. Imediatamente põe-se a bater palmas, muito compenetrada, cantando num balbucio, a que os pais se juntam, discretos: "Parabéns pra você, parabéns pra você..." Depois a mãe recolhe as velas, torna a guardá-las na bolsa. A negrinha agarra finalmente o bolo com as duas mãos sôfregas e põe-se a comê-lo. A mulher está olhando para ela com ternura - ajeita-lhe a fitinha no cabelo crespo, limpa o farelo de bolo que lhe cai ao colo. O pai corre os olhos pelo botequim, satisfeito, como a se convencer intimamente do sucesso da celebração. Dá comigo de súbito, a observá-lo, nossos olhos se encontram, ele se perturba, constrangido - vacila, ameaça abaixar a cabeça, mas acaba sustentando o olhar e enfim se abre num sorriso.
Assim eu quereria minha última crônica: que fosse pura como esse sorriso."
 
 


 

11 comentários:

  1. Kahlmeyer Que bom reencontrar você! A crônica que nos oferece é uma das minhas preferidas. Obrigada. Abraços da Gracinda.

    ResponderExcluir
  2. Sentimos falta de sua militância literária, professor Roberto.

    Andréa

    ResponderExcluir
  3. Começou bem o dia de hoje: retornou o Literatura-Vivência. Ou é apenas um delicioso bocado servido aos poucos, como as melhores iguarias francesas? E, como se não bastasse, Kahlmeyer brinda a todos com uma das pérolas da nossa Literatura, essa crônica do Fernando Sabino, que "nasceu velho e morreu menino". No parágrafo inicial o escritor dá uma aula curta, mas completa, àqueles que desejam escrever o gênero. A primeira vez que a li, confesso, chorei, tanto pela emoção quanto pela delicadeza da arte de trabalhar nosso idioma. Vi -vi mesmo!- o sorriso do pai, e quis ter estado lá com o Sabino para devolver o sorriso àquele pai, um sorriso no qual ele veria um singelo sentimento de comunhão de um irmão desconhecido, mas agradecido por presenciar seu ato de beleza e poesia de um pai amoroso. Sabino escreve "casal de pretos" e "pretinha", ótimo! Mostra que não devemos deixar de usar a riqueza da lingua por causa de patrulhadores -notem que escrevo "patrulhadores"- equivocados e raivosos. A lingua portuguesa é rica e tem de ser utilizada em sua pujança, preto ou negro, ambas as palavras são boas. E o casal de seres humanos, pela brilhante pena do escritor, dá a todos, pretos ou negros, brancos e o que mais houver, um lindo momento de beleza, delicadeza e amor. E o Kahlmeyer dedica a mim esse belo momento do blog! Obrigado, Roberto, você também me emocionou, é agradecido e esperançoso que fecho essa mensagem. Espero que retorne de vez, enriquecendo com seu brilhante trabalho estas nossas paragens literárias.
    Um forte abraço.
    Carlos Rosa Moreira.

    ResponderExcluir
  4. Gilson Rangel Rolim1 de março de 2013 18:49

    Prezado Roberto.
    Foi com alegria que vi sua mensagem. Fazia tempo que...
    Quanto à belíssima crônica de Fernando Sabino, foi com prazer e emoção que a reli.
    Da primeira vez, li-a no livro AS CEM MELHORES CRÔNICAS BRASILEIRAS, selecionadas por Joaquim Ferreira dos Santos.
    O mineiro Sabino foi, sem dúvida alguma, um dos mais sensíveis cronistas brasileiros.
    Abraço, Gilson

    ResponderExcluir
  5. Caro Kahlmeyer!

    Como me emocionei ao ler esta crônica. Seu blog devia voltar aos bons tempos para sempre nos oferecer boas novas como esta. Seu trabalho nos anima.

    Niamar Tannury

    ResponderExcluir

  6. Sou admirador da obra de Fernando Sabino. Que bom
    ler esta sua linda crônica!
    Ótimo tê-lo de volta, Roberto.
    Abraços do
    Luiz Calheiros.

    ResponderExcluir
  7. Bom dia, nobilíssimo Professor Roberto Kahlmeyer Mertens.

    Agradeço por seu filosófico e-mail. Aproveito para externar os meus votos de parabenização à cidade do Rio de Janeiro pelo seu aniversário, em 1º de março, recebendo como presente o lindo Museu de Arte. Desejo a você e excelentíssima família,
    um ótimo final de semana.

    Felicitações
    do casal amigo,
    Alberto Slomp e Yara Regina Franco.

    ResponderExcluir
  8. Kahlmeyer, você é o cara!

    Thiago Quintas

    ResponderExcluir
  9. José Eustáquio Cardoso2 de março de 2013 14:39

    Pô, Roberto, pensei que você se tivesse esquecido de mim. Que bom tê-lo de volta, e com um cartão de visita como este. Já li essa crônica 100 vezes. Completei agora 101, sempre com a emoção da primeira. Que escritor, o Fernando Sabino! Correção de linguagem como tão dificilmente se vê, hoje em dia, quando há escritores (?) parecendo querer romper com a beleza e os encantos de nossa última flor do Lácio.
    Um abraço.

    José Eustáquio

    ResponderExcluir
  10. Parabéns pela postagem, pela homenagem e por sua presença!
    Abs
    Belvedere

    ResponderExcluir
  11. Para variar, genial! Tanto o texto quanto a escolha!
    Abraço forte!
    Deise

    ResponderExcluir