quinta-feira, 17 de novembro de 2011

A rapsódia de dez poetas em Niterói - Geir, Placer, Pimentel et al.



Não faz muito tempo, em um desses eventos de literatura, fui apresentado a um “poeta”, um homem tão presunçoso que o ego quase não cabia no peito. Animado por um interlocutor comum a nós dois, ele arrogantemente declarou: “ – Assinei ontem meu soneto número 4836”. Eu, que tenho andado bem pouco paciente, me vi obrigado a perguntar: “ – E entre esses todos, quantos são bons?” Não é preciso dizer que logo uma nuvem negra se instalou sobre nós e, por sorte (minha, é claro), tornou inviável o prosseguimento da conversa.
Não faço segredo de que acho a poesia uma das coisas mais difíceis de serem feitas. Fruto de inteligência e de carisma (coisas que não se aprende em oficinas de fim de semana), gosto de lembrar que Mallarmé demorava meses para escrever um soneto e, quando o publicava, era festa em Paris! Como poderia haver, então, tantos poetas avulsos por aí?
Atualmente, qualquer ocioso que não esgotou a jovialidade na mocidade e que se acha apto a rimar “lhé com cré” se mete a escrever odes, elegias, epitalâmios...
Com minha avaliação acima (uma avaliação empírica, reconheço), não pensem que esteja insinuando que em nosso meio não existam poetas ou, mesmo, menosprezando os autênticos poetas que existem em Niterói. Pretendo apenas lembrar que poesia é coisa séria (e faço questão do sic, aqui). Eis o que vemos na presente postagem:





Ser e tempo


Ser é durar... Somos, então,
nesses momentos em que a vida
excede a própria duração?
Nesses momentos quando o amor
(fruto a multiplicar-se em gomos,
em cada gomo outro sabor)
é uma surpresa repetida
− que somos nós? Acaso somos?

                                                                                                                                José Inaldo Alonso


Na Lagoa Negra

“A mis soledades voy
De mis soledades vengo”
Lope de Vega

Na mesa, o retrato
do mágico instante
à beira da lagoa.
A Lagoa Negra,
do Gramado.
Permanência do tempo esvaído.
Tempus fugit. Tempus breve est.
As sombras dos ciprestes
refletidas na água escura.
A Lagoa Negra
de águas sedimentadas
de tempo a eternidade.
Te foste, Amada.
Na foto distante
ficou sua face,
na manhã de Sol.
Ficou teu sorriso
relembrando o sido
daquela manhã,
na Lagoa Negra
de água imemorial...

            Xavier Placer


Lídice


E um dia implodiram-se as muralhas
Os olhos, de repente, viram o mundo
Tal-qual o mundo é. E não mais como
O vemos na aparência, na rotina

Num setembro, e é ali. Terra de Lídice
Novou-se, de verdade, o coração
Assim na confiança, e na estima
O descobre a criança, o vê o santo

Nesta margem e tempo não-ganhados
Em arena e areia conquistados,
A magnificar o gesto do homem
Para sempre se alteia outra reália –

O´ torre de abundância, de fulgores!
Onde a Hora & o Eterno dão-se as mãos


Hugo Tavares

O Homem apócrifo

Era um homem magro
Chegou à minha porta
pediu um pedaço de pão
e um caneco de café
Depois que comeu e bebeu
o homem magro abriu o bornal
e começou a espalhar no galinheiro
milho, pérolas, diamantes, moedas de ouro...

... ainda colheu duas estrelas
da Constelação de Cassiopeia
e prendeu nas blusas das crianças

Então o homem magro partiu
Dava de longe homéricas bananas ao Eterno.




Simbiose

Sem ela,
ele não vive.
Sem ele,
ela também não.
Ela é a essência,
ele é o frasco.
Ela é intangível,
ele, palpável.
Ela, é imorredoura,
ele, perecível.
Ela comanda,
ele obedece.
Ela apascenta,
ele se rebela.
Ela ama,
ele é amado.
Os dois se integram,
formam uma unidade.
Ela é a alma,
ele é o corpo.


Súplica

Esta dor...
Esta angústia...
Esta solidão...
Vem, Maria,
vem depressa cantar,
cantar uma canção
para eu adormecer.



Poema do tatalar inútil


Na teia de minha vida
Aberta e clara,
Prendeste, sem querer,
Por culpa da tua curiosidade,
As asas tênues do teu sonho.


Agora que estás presa
Não é prudente
Te debateres tanto assim,
Nesse tatalar inútil
Porque se a teia é elástica
As tuas assas podem se romper.

                                                                                                                               A. Barcellos Sobral

Noite fechada.
Caída sobre os neurônios.
A esperança como armadura
menor do que o guerreiro
fere-lhe a resistência.
Mas ele não cede
põe sobre o mal-estar
unguento de paciência.
Resiste heroicamente
como um dique de pedra
resiste à pressão da inundação.
Proibido capitular
ou mesmo gemer resmungar.
A regra é resistir.
Opor logística espiritual bastante
para transformar angústia e caos
em mais ser em mais ser.



       Sávio Soares de Sousa


Périplo

Abro o livro de Homero e me surpreendo,
anônimo, entre heróis de iluminura,
eu, caipira inocente, de mistura
com gregos e troianos, combatendo.

Incomoda-me o peso da armadura.
Nem mesmo sei se agrido ou me defendo.
E devo confessar: só não me rendo
porque desperto ao cabo da leitura.

Fecho o volume. Saio do aeroporto,
fatigado de errâncias, quase morto.
Ulisses, eu? Meu lema é amor e paz.

Retorno ao lar e, em pouco, estou refeito:
Penélope me aguarda, no seu leito,
e essa história de guerra - nunca mais!

                                                                                                                                     Vilmar Lassance

Espera

Que horas são? Que importa?... já nao vem...
Quase dez...já não vem, tenho certeza!
Mas prometeu, que diabo, assim também...
Maria! Ponha esse jantar na mesa!
Vou jantar! Não espero mais ninguém!
Quem pensa, ela, que é?!...Só tem beleza...
De inteligência mesmo...nem vintém...
E, de dotes morais, é uma pobreza!
Tanta despesa e, agora...francamente!
Também...não quero vê-la nunca mais!
Nem que venha coberta de ouro em pó!
A campainha...Puxa! Que insistente!
Já vou! Quem é?...Querida!... Como vais?
Meu amor! Nunca mais me deixes só!


Saiba mais sobre Peter Gast 


Divulgação Cultural
(Clique na imagem para ampliar)




21 comentários:

  1. Que belo presente, Roberto! Obrigada.
    Belvedere

    ResponderExcluir
  2. Caro Roberto,
    Música suave aos meus ouvidos nesta tarde nublada de primavera!
    Walnize Carvalho(Campos)

    ResponderExcluir
  3. Carlos Rosa Moreira17 de novembro de 2011 17:37

    Os dez poetas... Obrigado, Roberto, pelo prazer de ler essas maravilhas. E parabéns pela escolha.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  4. Branca Eloysa Pedreira Ferreira17 de novembro de 2011 20:00

    Roberto, Bravo! Bravo! Bravo!
    Branca Eloysa

    ResponderExcluir
  5. Beleza de exemplos para seu argumento inicial. Há "poetas" aí que nem a língua portuguesa conhecem na intimidade e se metem a mexer com ela!

    ResponderExcluir
  6. Perfeito! Perfeito!

    ResponderExcluir
  7. Poh Roberto!
    Desta vez vc exagerou!
    Que música eh essa!

    Lindo de morrer!

    ResponderExcluir
  8. Caro Kahlmeyer,

    Na música de Caetano, o "Poeta sem morada" seria o Nietzsche!

    ResponderExcluir
  9. com a classe de sempre!!!

    ResponderExcluir
  10. Falou e disse,Kahlmeyer!

    Ass Olga

    ResponderExcluir
  11. Peter Gast!

    Tirou do baú, hein Kahlmeyer?!
    Baú sem fundo este seu!
    Onde fica tanta cultura da boa?!

    Abraços do Felipe

    ResponderExcluir
  12. nota 10 para esses 10 poetas de fibras tensas!

    ResponderExcluir
  13. Muito Bem, Kahlmeyer!
    Você nos trouxe a "Seleção Fluminense de Poesia"!
    Escolhas tão límpidas quanto a música de Peter Gast!
    O blog é excelente!

    Gostei muito da postagem anterior na qual vc mostra o evento do Lucchesi. Foi vc que recepcionou Lucchesi?!!!

    Iggy

    ResponderExcluir
  14. Eu sei fazer poesia. Sou poeta. Vejam só:

    "Quanta laranja madura,
    Quanto limão pelo chão,
    Quanto sangue derramando...
    Puxa, parace até que mataram um porco!!"

    ResponderExcluir
  15. Boa postagem, mas o Literatura-Vivência possui outras melhores.

    ResponderExcluir
  16. Poetas, com "P" maiúsculo!

    ResponderExcluir
  17. Há algo estranho em algumas postagem. Será inveja, será preconceito, será despeito? Uma pessoa com uma proposta com a de Roberto receber críticas tão baixo-nível? Vocês se consideram superiores quando olham atentamente cada poeta apresentado?
    Se Deus existe, que me proteja!Que povinho difícil esse da cultura. O que me salva é ser de outra área e apenas admirar literatura. Jamais conseguiria conviver
    em meio a tanta competitividade.
    Sylvianne Mattos

    Como dizia Ibrahim Sued- Os cães ladram e a caravana passa. Sábio!

    ResponderExcluir
  18. Poetinhas bilontras têm mais é que se ferrar, mesmo.
    Morte à mediania!
    Valeu pela postagem, Khalmeyer, talvea agora esses poetas de fim de semana ganhem algum pudor.

    A lembrança dos 10 foi ótima!

    Att
    Juber

    ResponderExcluir
  19. Senti falta de ver incluído entre os poetas de
    verdade o Cesar de Araujo, que além de excelente poeta, sabia dizer poesia como ninguém .
    Parabéns pelo seu trabalho de divulgação .

    ResponderExcluir
  20. A. Barcellos Sobral21 de novembro de 2011 08:51

    Meu caro Amigo Roberto;

    Paz e Bem

    O que posso dizer-lhe diante de tanto carinho, ao postar meu poema,
    mas uma vez, em seu blog. Sinto-me honrado.

    Um grande abraço do amigo
    Sobral.

    ResponderExcluir
  21. Amigo,
    Gostei bastante da sua escolha. Sim, faltou o Cesar de Araujo e tantos
    outros poetas que levam o ofício a sério. E não poderia faltar o poetíssimo
    AYRTON PEREIRA DA SILVA, um dos trabalhos mais belos que conheço.
    Vive escondidinho em Niterói. Se você ainda não conhece, procure conhecer
    seus livros/sua palavra madura de emocionar.
    Abraço amigo. Beatriz.

    ResponderExcluir