quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Um canto/conto de sereia segundo Lampedusa


Em ritmo de Ano da Itália no Brasil, terminei de ler, por esses dias, a coletânea O senador e a sereia.
Conhecido apenas dos leitores mais dedicados, seu autor, Giuseppe Tomasi Di Lampedusa é, segundo entendo – e sem favor algum – um dos grandes mestres da literatura do século XX. Para que confiram se esta minha posição judiciosa procede, disponho aqui o link para o Blog de Alfredo Braga, onde o leitor poderá ler o conto que dá nome ao livro. O texto é longo, mas vale a pena ir até a última palavra.
Ao final da leitura, desafio o leitor mais cético a achar o tema das sereias pueril, e a não acreditar nesses seres mitológicos depois da prosa verossímil de Lampedusa. O conto é uma aula de persuasão literária!

 


Clique AQUI para ler O senador e a sereia.





Giuseppe Tomasi di Lampedusa (Palermo, 23 de dezembro 1896 - Roma, 23 de Julho 1957) foi um escritor italiano. Membro de uma das mais tradicionais famílias sicilianas, príncipe de Lampedusa e duque de Palma, combateu na Primeira Guerra Mundial. Sua obra-prima, O Leopardo (Il Gattopardo) foi sucessivamente recusada por editoras italianas mas quando foi publicada após a morte do autor, transformou-se imediatamente em sucesso de público e crítica.


 

Divulgação Cultural
(Clique na imagem para ampliar)




6 comentários:

  1. Carlos Jose Rosa Moreira26 de outubro de 2011 08:37

    Roberto
    Parabéns pelo bom gosto de postar um conto de Lampedusa. Ele escreveu poucos contos, uns três ou quatro. E esse aí, tem os aromas selvagens e mediterrâneos lá de baixo, lá do salto e do fim da "Bota", o fascinante ambiente desse gênio que começou a escrever tardiamente e, feito muitos outros gênios, foi dolorosamente recusado pela cegueira atualíssima das editoras, ou seja, gente que negocia arte.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Excelente ideia!Parabéns.
    Belvedere

    ResponderExcluir
  3. Yedda Pereira dos Santos26 de outubro de 2011 11:51

    Meus agradecimentos pela oportunidade de ler o belo conto de Lampedusa...

    Yedda

    ResponderExcluir
  4. Ai Roberto, que texto lindo... estou me derretendo!
    Quantas paisagens belas. Que atmosfera!
    Me deu vontade de comer frutos do mar no fim de semana.

    ResponderExcluir
  5. Obrigada, Kahlmeyer. Lerei com atenção.
    Um abraço,
    Gracinha Rego

    ResponderExcluir
  6. Prezado Roberto
    Aguardo tua visita ao meu Blog, no qual iniciei uma abordagem sobre a memória do Teatro no Rio de Janeiro e minhas vivências com o mesmo.
    http://manekolopp.blogspot.com/
    Quero que me sigas e opines a respeito da matéria, cujo tema será bastante exrenso e pouco a pouco vou relatando em pequenos capítulos.
    Aceito nessa empreitada a colaboração dos amigos, corrigindo-me inclusive nos possíveis lapsos gramaticais e de memória.
    Abração pra tu

    ResponderExcluir