domingo, 1 de maio de 2011

A "geometria poética" de Placer

Quem são os “atores” da Renascença Fluminense? As postagens anteriores suscitaram perguntar como essa. Essas desejam saber se teríamos talentos que pudessem encabeçar a proposta de um renascimento da cultura literária fluminense (e, se caso houvesse, quem seriam essas figuras). As postagens que se seguirão a esta vêm responder a essas indagações. Apresentaremos alguns dos escritores que compõem o significativo cenário da literatura fluminense (sejam eles vivos-atuantes ou pertencentes a um passado ainda muito vigente). Consideremos homenageados os nomes aqui contemplados; estejamos, pois, preparados para o que é reconhecido como o melhor e o mais louvável na literatura feita no Rio de Janeiro.



Virgiliana, Xavier Placer

A Aurora & Hugo Tavares


As mangas os cajás as tangerinas
Trazidas de Viagem, na fruteira
Guardam nativas o ruço da Serra
Do Mar, o mel do orvalho, inda a friagem


Derrama-se no entorno o grato aroma
O impacto do quadro atrai olhares
Principalmente aquele pequenino
Povo de insetos, avoantes das frutas


Também as calateæ burle marxii
E o arranjo das bromélias chamam vespas
Das asas ensolaradas, zumbidoras


E os sumarentos frutos brasileiros
Compõem, com as cores da florália
Esta agridoce égloga do trópico.
(PLACER, Xavier. O Geômetra. Niterói: Letras Fluminenses, 1992




4 comentários:

  1. Renato Augusto Farias de Carvalho.1 de maio de 2011 18:32

    Caro Roberto: comentar à respeito de Xavier Placer é enriquecer os textos de literatura e vivência.
    Xavier foi um poeta de imenso capricho linguístico, homem de muita cultura, bibliotecário por vocação e o chefe de família tradicionalmente encantador. Tenho a obra completa do meu amigo
    Xavier, quase toda ela dedicada. Mais uma vez o cumprimento pela sua dedicação à pesquisa e bom
    gosto literário. Seu mais humilde confrade Renato Augusto

    ResponderExcluir
  2. Roberto,

    Ao entrarmos em seu blog, sem sabermos exatamente porque, somos tomados por uma sensação grata de estarmos lidando com o bom gosto e o refinamento.
    Refinado e singular são palavras para definir este seu espaço de inteligência e carisma.
    Aguardo sua próxima postagem.

    Carol

    ResponderExcluir
  3. Marcele Vespasiano3 de maio de 2011 18:52

    Ae! Muito Flórida!!!!1

    ResponderExcluir
  4. Roberto,
    louvo seu trabalho, que visa a fazer renascer a literatura fluminense. Penso, no entanto que precisamos fazer, também, a integração dessa literatura, acabando de vez com a separação que ainda persiste entre capital e interior. Quem sabe um seminário reunindo as instituições literárias dos diversos municipios (Capital e os demais) não poderia ser o ponto de partida para essa integração? Sugiro uma sigla: ILF.
    Abraço, Gilson.

    ResponderExcluir